É uma selva lá dentro: abrindo caminho em um caminho espiritual

Buscar a Deus talvez seja a coisa mais satisfatória que podemos fazer. Encontrar Deus, porém, leva tempo. No entanto, buscar e encontrar é a única maneira de nos libertarmos de nossas cadeias internas. E assim cada um de nós deve embarcar em um caminho espiritual.

O que exatamente isso significa estar "em um caminho espiritual?"

Para começar, não significa que percorramos uma estrada que já existe para nós. Não, quando decidimos ir por aqui, ainda não há um caminho. Temos que fazer isso. Como tal, somos, na verdade, um pioneiro abrindo caminho por uma selva inexplorada.

Devemos seguir adiante, abrindo caminho através de arbustos selvagens e vegetação rasteira, pisando um pé após o outro e fazendo um progresso lento e constante.

Em nossa selva autocriada, estamos constantemente construindo formas por meio de nossos comportamentos e ações, nossos pensamentos e sentimentos. Portanto, em cada alma humana típica, haverá uma selva. Isso não significa que sejamos pessoas más. Significa apenas que estamos cheios de confusão, erro e falta de consciência. Estamos desalinhados com a lei divina e não sabemos disso.

É essa ignorância que cria um deserto pelo qual temos que abrir caminho com dificuldade. E o objetivo final de todo esse esforço? Para encontrar Deus.

Nossas colinas e vales pessoais

Porque somos teimosos e temos vários preconceitos, criamos conflitos - tanto dentro de nós quanto em nossa vida exterior. Em nosso caminho espiritual, eles aparecerão como rochas e pedregulhos, bem como altas montanhas que precisaremos dissolver.

Teremos que abrir caminho através de nossas falhas, que aparecerão como arbustos espinhosos e plantas venenosas. Agora, em vez de contorná-los ou voltar atrás, precisaremos escolher nosso caminho por entre eles.

Teremos que pular ravinas, que são nossos medos da vida.

Também haverá rios para cruzar, onde devemos redirecionar as águas selvagens e turbulentas. Essas são nossas emoções descontroladas que estão descontroladas porque não entendemos de onde elas vêm ou do que realmente se tratam. Teremos que pular ravinas, que são nossos medos da vida, assim como nossos medos da dor e do desapontamento.

Na verdade, o que descobriremos é que, para dominar totalmente a vida, temos que saltar para o desconhecido. Pois a única maneira de perder nossos medos é passar por eles. Não podemos continuar nos afastando de nossas ravinas que nós mesmos construímos, que nem mesmo existiriam se fôssemos capazes de entender a vida e aceitá-la como ela vem. Na verdade, só depois de nos dispormos a saltar é que descobriremos que não havia realmente nenhum riacho.

Esta selva é de verdade

Essa analogia da selva não é apenas uma analogia. Essas formas existem, de fato, em nossa psique. E quando iniciarmos nosso caminho espiritual, precisaremos encontrar nosso caminho em meio a essas dificuldades. Pois eles realmente existem dentro de nós, em nossa matéria sutil.

Seguir esse caminho espiritual não é fácil. É uma longa subida pela encosta íngreme de uma montanha, onde as falésias costumam ficar escondidas nas sombras e cobertas pela escuridão. Às vezes, quando temos uma pequena vitória e o sol nasce, podemos descansar um pouco. O cenário ficará mais claro e um pouco mais amigável.

É uma longa escalada pela encosta íngreme de uma montanha.

Em seguida, iremos de novo, prontos para enfrentar a próxima parte. Às vezes, não seremos capazes de ver a meta por muito tempo. Podemos saber o que é, mas ainda estaremos muito longe de ter um vislumbre direto dele. Na verdade, por um longo tempo, enquanto estamos no início de nosso caminho, provavelmente pareceremos que estamos dando voltas e mais voltas em círculos. Porque continuaremos vendo o mesmo cenário, indefinidamente, como se não tivéssemos mudado de onde começamos.

O Arco de um Caminho Espiritual

Se não entendermos o que está acontecendo, isso pode ser muito desanimador. O que está acontecendo é que em um caminho espiritual, estamos nos movendo em uma espiral. E é inevitável que tenhamos que começar assim. Porque todos os nossos erros e ignorâncias, falhas e conclusões erradas rolam para criar um círculo vicioso gigante em nossa alma.

Em um caminho espiritual, estamos nos movendo em uma espiral.

O que acontece é que cada uma de nossas falhas individuais interage com todas as nossas outras falhas, criando uma confusão de reações em cadeia. Para escapar disso, precisaremos separar nossas falhas em baldes individuais. Concentrando-nos um após o outro, seremos capazes de encontrar os elos de causa e efeito em nosso círculo vicioso pessoal. Não podemos entender todo o círculo complicado completamente depois de apenas uma passagem.

Subindo?

Portanto, após a primeira rodada, precisaremos começar de novo. Mas cada vez que começarmos, ganharemos um pouco mais de força para entender como nossas qualidades negativas estão trabalhando juntas. Então, pararemos de experimentar nossas falhas como esses eventos únicos e, em vez disso, começaremos a vê-los em nossa mente como um círculo completo. Até que tenhamos essa perspectiva mais ampla, precisaremos continuar repetindo as rodadas.

No início, pode parecer um absurdo, como se não estivéssemos chegando a lugar nenhum. Mas isso não é verdade! E de fato, sem passar por essa parte necessária do caminho, não podemos alcançar a luz e nos tornarmos livres. Portanto, o círculo em que estamos girando é, na verdade, uma espiral que nos leva gradualmente para cima.

Subir é melhor do que descer

O caminho para a autoconsciência, então, não segue uma linha reta. Nem um pouco. Na verdade, ele sobe e desce em espirais. Pode acontecer que estejamos em uma curva descendente, mas na verdade estejamos um degrau acima do que durante nossa última curva ascendente. É idiota assim.

E mesmo que subir em nossa última corrida na montanha-russa de autodesenvolvimento tenha sido menor, no geral, do que nosso movimento descendente atual, provavelmente foi melhor. Porque subir é melhor do que descer. Há uma certa exaltação e liberdade que sentimos subindo - ”Oh, agora eu entendo o que está acontecendo!” - isso não está lá na curva descendente.

Mergulhamos na escuridão onde abundam a confusão e o erro.

Mas o trabalho que já realizamos em nosso caminho espiritual nos ajudou a subir a um novo nível. Então descemos novamente, encontrando todos os conflitos que ainda não resolvemos. Esses conflitos, é claro, nos incomodam. Sentimo-nos inquietos, inquietos e amedrontados até que os resolvamos e compreendamos.

Nesse ponto, nós os ajustamos ao quadro maior, ou pelo menos tanto quanto podemos ver agora. E daqui estamos na curva ascendente, aproveitando o ar mais claro que vem naturalmente de empurrar para fora as arestas da verdade um pouco mais.

E então descemos mais uma vez, mergulhando na escuridão onde abundam a confusão e o erro. Isso é o que nos corta do fluxo da corrente divina. Mas, em nossa confusão, misturamos as coisas, dizendo coisas como: “Isso é deprimente. Continuo experimentando coisas de que não gosto! E isso é porque estou cortado do fluxo divino. ”

Por que coisas desagradáveis ​​são boas para nós

O grande problema neste ponto é que estamos meio certos, o que é sempre uma situação perigosa. Sim, estamos passando por momentos desagradáveis. Mas isso é apenas um reflexo de algo dentro de nós esperando para ser desenterrado. O desagrado é um efeito inevitável de uma causa que nós mesmos colocamos em movimento.

Cada vitória abençoada significa outra curva ascendente.

São nossos problemas internos - que estão apenas esperando para serem resolvidos - que nos isolam. Mas ficamos rodeados por este mundo de manifestação e, francamente, ele causa uma forte impressão em nós. Nós provamos a sensação da verdadeira realidade antes, mas agora ela se foi. Ou pelo menos parece porque estamos desconectados dele.

Na verdade, precisamos dessa desconexão porque ela nos chama para a batalha. Pois essa é a única maneira de alcançar a vitória novamente. E cada vitória abençoada significa outra curva ascendente.

Mas enquanto cavalgamos por caminhos difíceis, é natural que não nos sintamos bem e também não sentiremos Deus. Pois ainda não ressoaremos com a verdade. E não podemos forçar isso a acontecer com a nossa vontade. O que nós pode fazer, e deve fazer, em tempos difíceis é pensar com clareza sobre o que estamos descobrindo. Podemos examinar nossas descobertas à luz do que agora sabemos.

Pois estes são os momentos em que é difícil orar. É difícil manter a fé.

Quem quer ser feliz?

No fundo, todos nós temos o desejo de ser felizes e de fazer os outros felizes. Mas em momentos como este, quando nos sentimos tão desconectados, é difícil nos sentirmos felizes. Pois a felicidade é um subproduto do sentimento de união e conexão. A ideia de “felicidade isolada”, então, não é realmente possível.

A felicidade é um subproduto do sentimento de união e conexão.

E assim nossas paredes internas de separação devem desmoronar. Que é exatamente o que temos tanto medo de fazer. O que deixamos de perceber é que, quando continuamos erguendo nossas paredes de separação, derrotamos o propósito da vida. Além disso, atrapalhamos nosso autodesenvolvimento, que também tememos e desejamos. Em suma, tornar-se feliz significa perder nossa separação.

Então, como podemos perder nossa separação? Fazendo exatamente o que parece ser a coisa mais difícil de fazer. Para muitos, isso significa desistir de nosso orgulho e passar pelo que parece ser uma vergonha tremenda. Sim, é isso que precisamos para nos libertarmos de nossas paredes e nos tornarmos felizes.

O que orar por

E sejamos claros, Deus quer que sejamos felizes. Temos uma longa história de mal-entendidos sobre isso e, em vez disso, acreditamos que ser piedoso significa ser infeliz e severo. De alguma forma, a piedade se misturou com o martírio. Toda a humanidade recebeu uma dose dessa ideia errada.

A piedade se confundiu com o martírio.

Amigos, sentir-se feliz não é motivo para se sentir culpado. Mesmo assim, orar para ser feliz não funciona. Precisamos orar pela força e capacidade de remover todos os obstáculos que colocamos entre nós e a felicidade. Entre nós e Deus.

Portanto, para chegar aonde queremos ir, teremos que atravessar a selva de nossa infelicidade que infligimos a nós mesmos com nossos pensamentos errados e erros.

E o que vamos ganhar com todo esse esforço? A luz clara da paz, a alegria da harmonia, a beleza de viver em liberdade. É com esse espírito que oferecemos nossas orações, pedindo a ajuda de Deus para superar todos os altos e baixos de nosso trabalho de cura.

–A sabedoria do Guia nas palavras de Jill Loree

Adaptado da palestra nº 36 do Pathwork: Oração

Leia as palestras originais do Pathwork

Pronto? Vamos vá em frente!
Compartilhe