Ensaio 25 A chave para um casamento feliz? Honestidade

Quando meu marido, Scott, e eu nos conhecemos, imediatamente tivemos uma conexão comum por meio de nosso amor pelo Guia do Pathwork. E, de fato, em nosso casamento, são as ferramentas desse caminho espiritual que nos mantêm caminhando juntos. Pois, como o Guia do Pathwork aponta, a principal coisa que está faltando na maioria dos casamentos é a honestidade. E esse caminho espiritual, mais do que qualquer outra coisa, é aprender a ser honesto – conosco e com os outros.

O maior problema que enfrentamos em um casamento é parar.

Não é apenas que aprender a ser honesto em um casamento é uma boa ideia. Pois esse é o caso de toda a vida. Mas em um casamento, a honestidade é o ingrediente necessário para manter a união viva. Na verdade, o Pathwork Guide chama os relacionamentos de “caminho dentro de um caminho”.

Ou seja, um caminho espiritual é trazer todas as nossas partes obscuras – nossas falhas e falhas, nossas deficiências e nossos mal-entendidos – para a luz. Pois esta é a única maneira de transformá-los de volta ao seu estado original de fluxo livre. E os relacionamentos, por sua própria natureza, vão trazer toda a nossa escuridão à tona.

Veja a conexão?

Fique curioso

O maior problema que enfrentamos em um casamento é parar. O que muitas vezes acontece é que sabemos uma quantidade superficial de coisas sobre nosso parceiro e achamos que é tudo o que existe. Quando isso acontece — quando não buscamos mais profundidade, mais intimidade, mais compreensão — a centelha se apaga.

Na verdade, existe um nome para essa faísca. É eros. E faz parte do banco de três pernas do relacionamento. As outras duas partes são amor e sexo. E enquanto eros é responsável por nos lançar em um relacionamento, ele nunca tem que acabar. Mais precisamente, se quisermos manter nosso casamento vivo, o eros não deve acabar. Pois cada um dos três — eros, amor e sexo — desempenha um papel importante em um casamento bem-sucedido.

“Eros nos levou ao limite do início, impulsionando-nos na cauda com uma força muito necessária. Mas depois desse ponto, nossa vontade de continuar a sondar as profundezas do outro ou revelar aspectos mais arriscados de nossa paisagem interior é o que determina se eros se tornará uma ponte para o amor. E isso depende basicamente de nós. Quanto queremos aprender a amar? Isso, e somente isso, é o que é necessário para manter vivo o eros dentro do nosso amor.

“É assim que encontramos o outro e nos deixamos encontrar continuamente. Não há fim. Cada alma é ilimitada e eterna. Uma vida inteira nunca seria suficiente para conhecer outra alma. Nunca chegará um ponto em que saberemos tudo o que há para saber. Nunca chegará um momento em que seremos inteiramente conhecidos. Nossas almas estão vivas, e nada que vive permanece imutável. Sempre podemos revelar camadas ainda mais profundas, que já existem.

“Estamos constantemente mudando, renovando e mudando. Como tal, o casamento pode ser uma maravilhosa jornada de descoberta e aventura, como deveria ser. Podemos sempre encontrar novas vistas, em vez de cair no chão assim que o primeiro impulso de eros desaparece. Precisamos usar seu impulso para nos empurrar por cima de nossas paredes e, em seguida, avançar ainda mais sob nosso próprio vapor. É assim que podemos trazer eros para o amor verdadeiro no casamento.”

- Atração, Capítulo 6: As Forças do Amor, Eros e Sexo

A fonte do amor

O ser humano é complexo. Não apenas nossos corpos são incríveis, máquinas vivas, nossas psiques são uma vasta piscina composta de várias partes móveis. A parte com a qual estamos mais familiarizados é o nosso ego. Esta é a parte de nós mesmos sobre a qual temos controle direto. Nosso ego decide e age. Ele se move para dentro ou para fora. É o centro de controle, por assim dizer, de todo o nosso ser.

Dito isto, o ego é bastante limitado no que pode e não pode fazer. E uma coisa que o ego não pode fazer é amar. Por isto, o ego deve se render à parte de nós que o Guia do Pathwork chama de nosso Eu Superior. Devemos aprender a deixar ir. Claro, não é seguro para o ego se desprender se ainda temos muitos pedaços sombrios do Eu Inferior atrapalhando o caminho. Mas, por enquanto, vamos nos concentrar apenas no motivo pelo qual o ego deve se preocupar em aprender a deixar ir para que possamos amar.

É porque, em uma palavra, amar traz renovação. Cada vez que vemos algum bloqueio rígido em nós mesmos - algo para o qual estávamos cegos antes - temos a chance de nos restaurar à nossa condição pacífica e fluida. Temos a chance de encontrar mais amor. É esse tipo de autotransformação que abre a torneira e permite que a força curativa e restauradora do amor divino flua através de nós. O ego simplesmente não vem equipado com tal torneira.

“Outro estado que nos reabastece é o amor mútuo. Quando abandonamos o auto-esquecimento intenso e saudável, mergulhamos no vasto mar da beleza e do poder universal. Isso acontece quando aceitamos e nos fundimos com outra “esfera” ou pessoa. Ao nos fundirmos com outro ser, nos tornamos compatíveis com a força vital universal e temos uma experiência que preenche todos os níveis do nosso ser: mental, físico, emocional e espiritual. Portanto, uma conexão sexual amorosa é a experiência espiritual mais completa que podemos ter.

“Ao participar do nosso Eu Real, somos nutridos por esta substância criativa em todo o seu esplendor. Ao deixar ir, o ego fica temporariamente imerso, resultando em uma liberação temporária de seus deveres. Mas ressurge mais forte e melhor do que antes! O ego realmente se torna mais sábio e flexível, e cheio de prazer. Uma vez que tenha mergulhado neste oceano celestial, o ego será mudado para sempre.

“O ego não apenas é incrivelmente enriquecido, mas sua capacidade de se render e permanecer submersa na bem-aventurança – estar no amor e na verdade – se expande proporcionalmente. Essa intensa fusão do ego com o outro é a maneira mais eficaz de esquecer e transcender a nós mesmos.”

-Depois do Ego, Capítulo 4: Como a negatividade inconsciente impede o ego de se render

O que impede que isso aconteça é o fato de nos retermos de nosso parceiro. Quando permitimos que nosso medo de expor nossas vulnerabilidades e nossas feridas internas nos detenha, estamos, na verdade, desistindo da honestidade. Ao fazer isso, estamos matando a mesma coisa que quer vir à tona e animar nosso relacionamento. E então nos viramos e culpamos o outro por nossa miséria.

Amigos, se nos encontramos presos em um casamento outrora promissor, mas agora morto, é nossa própria relutância em nos revelar e buscar nas profundezas do outro que é a causa.

Honestamente conectando dentro

Desde que Scott e eu nos casamos em 2019, tivemos muitas oportunidades de manter a luz um para o outro. Foi difícil no começo porque isso era novo para nós dois. Mas nós dois podemos atestar que com o tempo, fica cada vez mais fácil de fazer.

Pois uma vez que experimentamos a liberdade que vive do outro lado de nossos lugares sombrios, aprendemos a acolher nossas lutas pelo crescimento que elas permitem. E é somente crescendo continuamente que podemos criar cada vez mais beleza em nossas vidas e em nossos casamentos.

À medida que cada um de nós trabalha para eliminar nossos obstáculos internos, liberamos cada vez mais nossa luz interior. Junto com esta luz vem a orientação interior que nos ajuda a caminhar pela vida com facilidade e graça. Portanto, é ouvindo dentro de si e ouvindo a voz do nosso Eu Superior que aprendemos a viver em paz e harmonia.

Ao longo do nosso tempo juntos, Scott e eu percebemos algo interessante. Antes do casamento, éramos dois indivíduos caminhando lado a lado. Então, quando entramos no casamento, algo novo foi criado: a própria união. E agora nós dois temos a tarefa de manter essa nova entidade viva.

Embora ainda sejamos duas pessoas, agora também trabalhamos em equipe. E muitas vezes, quando um de nós recebe uma mensagem particular de dentro que pertence a nós como casal, o outro não recebe a mesma mensagem. Isso é por design.

Existem essencialmente quatro coisas que isso faz:

1. Nos motiva a prestar atenção nas mensagens que recebemos. Porque se entendermos que podemos ser os únicos a receber esta mensagem, nossa escuta interior realmente importa.

2. Ela nos encoraja a distinguir entre o que é inspiração e o que é ego. Isso é uma orientação fresca e criativa ou um pensamento reciclado da minha mente do ego? Lembre-se, o ego também não tem criatividade em seu kit de ferramentas.

3. Isso nos leva a compartilhar nossas mensagens de forma clara com nosso parceiro. Muitas vezes, precisamos verificar as coisas com eles para descobrir o que é o quê. Se nosso parceiro não sente a mesma ressonância interior que nós, essa é uma informação útil para guiar nossa jornada juntos.

4. Ele nos orienta a aprender a confiar em nós mesmos e em nosso parceiro. Quanto mais acertarmos, mais vivo será nosso relacionamento. Quanto mais erramos, mais aprendemos e crescemos. De qualquer forma, é bom.

Não tenha medo de crescer. E não tenha medo de estar totalmente vivo. Pois é atravessando nosso medo que encontramos a magia para manter nosso casamento vivo.

- Jill Loree

Maneiras de aprender mais
Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe