Ensaio 22 A coisa complicada sobre a auto-responsabilidade

Se fervêssemos todos os ensinamentos do Guia do Pathwork por um ano, reduzindo-os, reduzindo-os e reduzindo-os, todos se resumiriam a isso: auto-responsabilidade. No entanto, essa noção de que algo em nós está no centro de todas as nossas perturbações pode facilmente ir para o lado.

Um problema está na questão da conscientização. Nós simplesmente não estamos cientes do que não estamos cientes. E enquanto não tivermos consciência da origem de nossos conflitos na vida, não podemos ver como poderíamos ser responsáveis ​​por eles. Aqui reside o cerne do desafio de ser humano.

Descobriremos muito mais luz através da curiosidade do que julgando a nós mesmos ou aos outros.
Descobriremos muito mais luz através da curiosidade do que julgando a nós mesmos ou aos outros.

Em seu excelente livro Esquerdo Negligenciado, a neurocientista Lisa Genova conta uma história sobre Sarah, uma mulher de 30 anos que sofre uma lesão cerebral. O que é fascinante é que a lesão rouba a consciência da mulher de tudo em seu lado esquerdo. Então ela deve treinar sua mente para perceber o mundo como um todo.

Em um ponto da história, seu marido a visita no hospital. Ela pede que ele conte tudo o que vê na sala. Ele nomeia a cama, a pia, a cadeira, a porta, a janela. Então ela pede para ele dizer o que está do outro lado da sala, o lado que ele não consegue ver. Ele está confuso. Não há outro lado. Mas essa é a experiência dela agora. Ela não tem consciência de um lado da vida, que é tudo à esquerda.

Pode-se dizer que nosso inconsciente é, na verdade, tudo à esquerda. É a parte da vida que não podemos ver. Como tal, nem sabemos onde procurar para começar a procurá-lo. A maioria das pessoas nem sabe que existe.

Armadilhas para perceber que somos responsáveis

Quando começamos a perceber que nós mesmos somos responsáveis, chegamos a um marco importante. No entanto, também é possível interpretar mal isso. Primeiro, muitos pensam que a ideia de auto-responsabilidade elimina Deus. Então, ou existe um Deus e é ele que dirige nossas vidas, e se o sofrimento está envolvido, só temos que aguentar na cara. Ou nos voltamos para o ateísmo e acreditamos que Deus não existe.

Mas esta é uma escolha falsa. Na verdade, só descobriremos que a responsabilidade própria é um fardo se nos sentirmos culpados cada vez que descobrirmos um erro interior. Mas uma vez que superamos isso, nos aceitando como somos agora, sem ficar com raiva ou rebelde, ou sentir o tipo errado de vergonha ou culpa - então a responsabilidade própria se tornará uma porta de entrada para a liberdade.

Muitos pensam que a ideia de auto-responsabilidade elimina Deus.

Não há falsa segurança no mundo que se compare à verdadeira força que ganhamos ao ver o que causou nosso descontentamento, nossas preocupações, nossa infelicidade e nossos problemas. Não importa o tipo de segurança falsa que tentamos: relacionamentos com outras pessoas, conceitos, ideias distorcidas sobre Deus. A verdadeira força e liberdade começam a chegar no momento em que começamos a compreender nossas próprias causas e seus efeitos.

No entanto, por mais crucial que seja a auto-responsabilidade para o nosso desenvolvimento, a maioria de nós deseja evitá-la de alguma forma. Mesmo que também nos revoltemos contra ter nossa liberdade cerceada! A única maneira de resolver esse conflito é descobrir como e por que limitamos nossa própria liberdade. Como abandonamos a auto-responsabilidade para optar por uma maneira mais fácil de viver?

Embora pareça diferente para cada pessoa - uma vez que somos feitos de qualidades, falhas e correntes diferentes - quase todo mundo tem o desejo de escapar da responsabilidade própria. E quanto mais fugimos disso, mais acorrentados ficamos. Então nós nos esforçamos contra as correntes, chutando e gritando para o mundo, e sentindo que tudo é tão injusto. Vamos até chafurdar na autopiedade, enquanto paramos de fazer exatamente o que quebra as correntes: assumir a responsabilidade pessoal.

Passos para a liberdade

A chave para se tornar livre está na auto-responsabilidade. Primeiro, devemos descobrir: a) “Onde estou me causando sofrimento?” E então b) “Como está em meu poder mudar isso?”

Em segundo lugar, devemos descobrir sobre nosso medo de nos machucar. Devemos chegar a ver como esse medo é a causa de toda a nossa miséria. Nosso medo excessivo nos faz agir como uma pessoa que tem tanto medo da morte que comete suicídio. Isso é basicamente o que nossas imagens estão fazendo. Temos tanto medo de nos machucar que criamos essas formas rígidas em nossa alma. Essas formas e as defesas que elas lançam nos trazem muito mais dano desnecessário do que aconteceria sem elas.  

A razão pela qual devemos aceitar a mágoa não é porque Deus a está dando para nós. É porque o demos a nós mesmos. E isso não significa que devemos nos revoltar contra nós mesmos ou contra as sábias leis divinas que estruturam a vida dessa maneira. O que precisamos aceitar é que somos imperfeitos e, dependendo da extensão de nossas imperfeições, sofreremos. E quanto mais estivermos dispostos a trabalhar para nos purificar, menos sofrimento experimentaremos.

É descendo, nas profundezas da nossa alma, que nos erguemos.

Existem muitos requisitos para fazer esse trabalho de autocura, e um deles é não esperar milagres da noite para o dia. Podemos aprender muito enfrentando nossa dor e aceitando-a enquanto estivermos neste estágio de nosso desenvolvimento. Quanto mais pudermos relaxar no processo de encontrar e eliminar as causas dentro de nós, mais rápido superaremos esses obstáculos.

Percorrer o processo de forma lenta e persistente nos ajudará a ter a atitude correta em relação à dor. Uma vez que aceitamos a dor - o que podemos fazer de maneira saudável, e não lutando contra ela ou fazendo mais do que o necessário masoquisticamente - então a dor finalmente cessará. Porque quando aceitamos a dor, passamos por ela e ela se dissolve. E é só passando por algo que podemos ir além. É descendo, nas profundezas da nossa alma, que nos erguemos.

Auto-responsabilidade não é auto-julgamento

De volta à autorresponsabilidade, a única maneira de realmente relaxar nossas dificuldades na vida é procurar onde elas realmente se originam. E sempre, esse lugar está dentro de nós. O caminho a seguir é desenrolar nossa mentira oculta e liberar a velha dor não sentida associada a ela. É disso que estamos fugindo há eras. É hora de começarmos a ver toda a verdade.

Mas é exatamente aí que as coisas se tornam complicadas. No momento em que percebemos que somos responsáveis ​​por nossos problemas, nos voltamos para nós mesmos e começamos a nos julgar como maus ou errados. Afinal, somos compelidos pela ilusão da dualidade a dividir tudo em bom ou ruim, certo ou errado.

No entanto, como ensina o Guia do Pathwork, o inconsciente não responde bem a uma atitude moralizadora. Então, se esperamos abrir mão dos segredos falsos por trás de nossas lutas, precisaremos encontrar outra abordagem.

Qual é a melhor abordagem?

A melhor maneira de seguir em frente é tornar-se curioso. O que eu poderia estar escondendo que não estava disposto a ver? Devemos ver onde estivemos na distorção, onde agimos com base em nossas falhas, e então corrigir nosso curso. Devemos nos permitir sentir remorso por qualquer dor que tenhamos causado pelo que fizemos, ou deixamos de fazer, devido a um erro.

Mas à medida que entramos na auto-responsabilidade, não devemos cair na culpa ou vergonha moralizadora. Pois descobriremos muito mais luz através da curiosidade do que julgando a nós mesmos ou aos outros.

“O verdadeiro remorso não tem nada a ver com culpa ou vergonha. Com remorso, estamos simplesmente reconhecendo onde falhamos. Essas são nossas falhas e impurezas, nossas deficiências e limitações. Estamos admitindo que existem partes de nós que violam a lei espiritual. Sentimos arrependimento e estamos dispostos a admitir a verdade sobre nossa destrutividade. Reconhecemos que é um desperdício inútil de energia e prejudica os outros e a nós mesmos. E nós sinceramente queremos mudar.”

-Pérolas, Capítulo 17: Descobrindo a chave para deixar ir e deixar Deus

A verdade é uma base sólida

Se construirmos nossa casa na areia, ela pode durar algum tempo. Mas eventualmente as coisas começarão a desmoronar e entrar em colapso. Podemos até ter esquecido que decidimos há muito tempo construir na areia. Mas isso não muda a realidade da situação.

No final, qualquer coisa que não seja construída sobre uma base sólida de verdade acabará por entrar em colapso. Deve. Assim, ele pode ser reconstruído da maneira certa.

A era que agora está chegando vai abalar ainda mais o que não é são, o que foi construído sobre a areia. Devemos perceber coletivamente que a única maneira de chegar ao outro lado de nossos desafios é atravessando a porta da autorresponsabilidade. E é exatamente isso que o Guia Pathwork está nos mostrando como fazer.

- Jill Loree

Maneiras de aprender mais
Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe