Ensaio 31a A criação brota de pontos de partida em turbilhão

Podemos gostar de pensar que nossos pensamentos não importam muito. Mas eles são o ponto de partida psíquico que leva às ações e criações.
 

Tornar a vida melhor mudando a forma como criamos

Todo o objetivo de trilhar um caminho de desenvolvimento espiritual é a autotransformação. Pois é apenas mudando a nós mesmos que podemos mudar a vida que estamos criando — para nós mesmos e para os outros. Então, mudando o que criamos, podemos tornar a vida melhor.

Por que funciona desta forma? Porque cada um de nós tem algumas partes de nossa psique que se tornaram distorcidas ou distorcidas. Como resultado, cada um de nós tem áreas em nós mesmos — e, portanto, em nossas vidas — que funcionam de maneira descolorida e negativa. Agora precisamos desenrolá-los e restaurá-los à sua condição original brilhante e brilhante.

E isso, amigos, é exatamente o que os ensinamentos do Guia do Pathwork podem nos ajudar a fazer. Eles podem nos ajudar a mudar o que estamos criando na vida, ajudando-nos a recuperar nossa luz interior. Sim, se queremos começar a melhorar as coisas, todos temos algum trabalho a fazer.

Trabalhando com o processo criativo

Começaremos falando sobre alguns conceitos gerais de criação na Parte Um. Na Parte Dois, exploraremos a ilusão do tempo e algumas das maneiras pelas quais tentamos pegar atalhos. Em seguida, na Parte Três, abordaremos maneiras específicas de usar essas verdades em nossa vida pessoal. Exploraremos especialmente as três maneiras mais comuns pelas quais as pessoas tentam escapar de viver no presente.

UM: A criação brota de pontos de partida em turbilhão

  • Dois exemplos simples de pontos de partida psíquicos

DOIS: Entendendo o tempo e o “ponto agora”

  • Nossos três principais atalhos para a felicidade

TRÊS: A saída da miséria

  • Três maneiras comuns de escaparmos do “ponto agora”

Cada verdade metafísica oferecida pelo Guia do Pathwork pode ser aplicada imediatamente em nossas vidas, independentemente de onde estamos em nosso desenvolvimento espiritual. Mas também tenha em mente que o que o Guia do Pathwork está compartilhando neste ensinamento é uma versão altamente simplificada das coisas. Tente ouvir com seus ouvidos internos para que você possa ouvir a sabedoria que ecoa a verdade de uma realidade maior do que a que conhecemos.

Uma grande crise pode ser um alerta... É uma chance de lutar por mais consciência do que realmente está acontecendo.

Redação 31a | Parte um

A criação brota de pontos de partida em turbilhão

Para que a criação aconteça, dois princípios essenciais devem se encontrar. Em termos humanos, podemos pensar neles como os princípios receptivo e ativo. Esses são dois aspectos de um todo completo e permeiam tudo em toda a criação. Não é possível criar nada sem que os dois se juntem. 

Para fazer uma criação positiva, esses dois princípios devem se encontrar de forma harmoniosa, flexível e mutuamente benéfica. Alternativamente, quando fazemos uma criação negativa, esses dois princípios se chocam e são mutuamente exclusivos. De qualquer forma, os mesmos princípios receptivos e ativos estão envolvidos.

Independentemente de a interação ser construtiva ou destrutiva, quando esses dois princípios se encontram, a força criada é tremenda. Pois eles se unem de forma fortemente concentrada e convergem em um único ponto. O Pathwork Guide chama esses “pontos nucleares psíquicos”.

Podemos pensar neles como “nucleares” porque cada encontro forma um núcleo, ou ponto de partida central. E esse núcleo está tão carregado de material criativo que não pode deixar de desencadear uma poderosa reação em cadeia que se autoperpetua. Esses pontos são o princípio fundamental por trás de cada forma que é criada.

Também podemos pensar nesses pontos como sendo “psíquicos”, pois não são feitos de material físico. Em vez disso, são algo que vem da consciência ou da psique. Eles vêm de nossas mentes pensantes e planejadoras. Portanto, não podemos vê-los em nossa realidade 3D. Podemos, no entanto, percebê-los por inferência, intuição e até mesmo usando nossos poderes de raciocínio dedutivo.

Mas não se confunda. Não estamos falando de “fenômenos psíquicos” aqui. Estamos apenas apontando que não podemos criar nada sem ter uma intenção consciente de alguma forma embutida na força que está gerando isso. Afinal, o universo é feito inteiramente de energia e consciência. Essas duas coisas não podem ser separadas, embora o modo humano limitado de perceber as coisas possa ver essas duas coisas como dois fatores separados.

O poder da intenção

Em princípio, energia e consciência são um. Dito de outra forma, a consciência não pode existir sem também ser energia ao mesmo tempo. Considere então que todo pensamento também é uma energia altamente carregada. Além do mais, a energia não pode ser nada além de uma expressão da consciência. Você simplesmente não pode ter um sem o outro.

É através de nossa intenção, então, que a consciência envia energia por meio de nossos processos de pensamento. E nossas intenções são afetadas por nossas atitudes em relação a tudo o que é, bem como em relação ao que quer que estejamos criando. Em suma, não podemos criar nada sem ter uma intenção, um propósito, um pensamento acontecendo em algum lugar em segundo plano.

Pontos nucleares psíquicos – que daqui para frente chamaremos de “pontos de partida psíquicos” – são na verdade uma série de eventos psíquicos. Pois não pode haver apenas um ponto psíquico, ou apenas um evento psíquico. Porque um pensamento leva a outro em uma sequência lógica.

Ao encadear uma série de pensamentos, isso nos leva a ações e reações. E estes fazem nascer novos fatos. Estes, por sua vez, levam a fatos ainda mais novos. E todos esses fatos criam uma série de reações em cadeia que interagem e também são interdependentes.

Visualize-o desta forma: Nós temos um pensamento e ele traz um certo resultado. Então esse resultado provoca um sentimento e uma atitude. Estes, então, levam a uma ação. E essa ação trará uma reação. O que traz mais uma reação. E o processo continua, sem parar.

Girando em círculos

Essas reações em cadeia não seguem uma linha reta. Em vez disso, eles andam em círculo. E não se esqueça, eles são altamente cobrados. Em vez de morrer, as reações em cadeia ganham impulso, ficando cada vez mais fortes. E não só se autoperpetuam, como se autoalimentam. Ou seja, eles crescem com velocidade cada vez maior. Além disso, eles são auto-rotativos. Então eles formam um redemoinho cada vez maior de energia que é altamente carregado.

Eventualmente, o momento atinge sua carga máxima e, em seguida, ocorre uma explosão. Este é o ponto de pico para uma criação específica. Agora a criação toma forma. E então um novo conjunto de reações em cadeia é iniciado.

Pense no momento viajando em torno de uma espiral onde o movimento continua indo cada vez mais rápido até que finalmente converge em um único ponto. Este ponto é tão pequeno que nenhuma medida menor parece ser possível. E, no entanto, ao mesmo tempo, esse ponto ainda consiste em todas as forças que entraram na série de eventos que levaram a essa criação.

O tamanho pode enganar

Observe que termos como “tamanho” ou “tempo” ou “medida” fazem parte do estado de consciência em que nós humanos nos encontramos. Mas eles não se aplicam mais aos conceitos que estamos discutindo aqui. Como resultado, esses ensinamentos podem ser enganosos se não tentarmos ouvir com nossa intuição e talvez até considerar tudo isso simbolicamente, e não literalmente.

Por exemplo, grande e pequeno não são necessariamente sobre tamanho. Em vez disso, essas palavras podem ser usadas para descrever o significado de uma criação em particular. Então digamos, por exemplo, que um pensamento que produz algo novo é muito forte, muito unificado e cheio de propósito para apoiar o plano criativo da evolução. Não há contracorrentes indo em direções opostas porque o pensamento se alinha com todas as leis espirituais universais.

Neste caso, o ponto psíquico será extremamente grande. Ou seja, será poderoso e terá um impacto duradouro. A carga e recarga dos movimentos cíclicos continuarão em um processo aparentemente interminável.

Por outro lado, se o pensamento que desencadeia uma cadeia de eventos é insignificante e cheio de crenças erradas, o resultado será menos intenso. Pode parecer poderoso, mas não terá muito impacto.

Pontos de partida psíquicos estão em toda parte

Todo o universo é composto por esses pontos de partida psíquicos. Eles existem nas criações mais simples, bem como nos sistemas mais complexos que podemos imaginar. Eles estão em cada partícula de ar e em cada célula que é criada. Cada folha vem de uma reação complexa de muitos pontos de partida psíquicos. Mesmo uma rajada de vento tem pontos de partida psíquicos por trás dela.

O ar que respiramos, assim como nossos músculos, pele, ossos e órgãos são todos criados a partir dessa mesma origem: um sistema altamente complicado de conexões intrincadas entre pontos de partida psíquicos. O que não significa que todos os pontos de partida psíquicos existam no nível material. Muitos não podemos medir, mas só podemos entender através do raciocínio lógico.

Esses pontos de partida psíquicos não materiais são cruciais para coisas que existem no nível não material. E eles são tão importantes quanto o que existe em nosso mundo material. Pois eles também nos afetam. Afinal, nossos próprios seres são compostos de partes materiais — nossos corpos que podemos ver e tocar — e nossas partes não materiais, como nossas crenças e atitudes. Portanto, somos tão afetados pelos pontos de partida psíquicos que não podemos ver quanto os que podemos, independentemente de estarmos conscientes de nossas partes não materiais ou não.

Isso significa que quaisquer situações em que nos encontremos agora, e qualquer vida que estejamos criando para nós mesmos, vêm de sistemas muito complicados compostos de pontos de partida psíquicos. Alguns desses pontos convergem. Alguns deles se contradizem ou brigam entre si. Outros se reforçam. É tudo construído em nossa longa história de pensamentos, intenções, ações, sentimentos e atitudes.

Mudando os padrões

O que estamos vivenciando agora, neste momento, é basicamente uma explosão psíquica que percorreu milhares de anos para chegar à última meia hora que acabamos de viver. E tudo culmina nos pensamentos exatos que estamos pensando neste exato minuto. Uma vez que as peças dessa explosão psíquica se encaixem, elas podem se reformar e criar o mesmo padrão. Alternativamente, eles podem criar uma nova forma, dependendo de nossa consciência mudar ou não - em nossos pensamentos, atitudes e crenças.

Pois nossas mentes sempre podem ser mudadas. Existem, de fato, infinitas possibilidades para fazer infinitas mudanças acontecendo o tempo todo. O que significa que não temos que viver com criações negativas. Eles podem ser alterados.

É de vital importância perceber que, quando começarmos a trabalhar profundamente com esses ensinamentos do Guia do Pathwork, começaremos a descobrir como somos nós que criamos a cadeia de eventos que agora estamos vivenciando como “minha vida”.

O que descobriremos — tomaremos consciência — é que esses pontos de partida psíquicos altamente carregados parecem ter criado vida própria. Pois eles se autoperpetuam. Mas eles sempre começam conosco. E podemos aprender a mudar o curso que nossa vida está tomando. Então, se estamos infelizes, não temos que ficar assim.

Continuamos fazendo mais do mesmo

Quando nos encontramos perdidos na ilusão de que somos impotentes, o que realmente perdemos é nossa conexão com nossas intenções que criaram essa situação. Não percebemos que temos a capacidade de mudar um ponto de partida psíquico que agora se materializou. Porque se criamos algo positivo ou negativo, ainda é o resultado de nossos pensamentos e intenções.

Mencionamos que os pontos de partida psíquicos se autoperpetuam. Consequentemente, quanto mais amamos, mais amor haverá em nós e virá até nós. Continuaremos recriando uma capacidade cada vez mais forte de amar, e ela continuará crescendo. Quanto mais amor dermos, mais teremos. É por isso que se diz na Bíblia que “aos que têm, mais será dado”.

Mas os pontos de partida psíquicos fracos, negativos e contraproducentes funcionam da mesma maneira. Eles ainda ganham impulso até explodirem. O impacto, no entanto, não será tão grande quanto um ponto de partida psíquico positivo e focado. Porque a explosão ocorrerá antes que uma força maior possa se reunir.

O que quer que estejamos criando, continuaremos criando cada vez mais. Pois o impulso de um ponto de partida psíquico cria cada vez mais a mesma coisa. Isto é, contanto que nossa consciência não mude e continue seguindo com ela.

Isso se aplica a tudo. Ao conhecimento, às intenções negativas, aos talentos, à nossa atitude perante a vida. E tudo depende se estamos na verdade ou no erro. O que estamos pensando vai gerar mais do mesmo. Até decidirmos parar de descer a trilha em que estamos.

Somos todos criadores incríveis

Na maioria das vezes, estamos alheios a esses pontos de partida psíquicos. O que notamos é a criação final. A explosão. E então o que vemos parece ser uma coisa fixa. Mas quando começamos a fazer nosso trabalho pessoal de cura, começamos a ver nossas atitudes internas ocultas.

Fazemos isso dissolvendo nossos bloqueios internos e nossa resistência em nos vermos na verdade. Dessa forma, nos sintonizamos com os incríveis criadores que somos. E começamos a ver como estamos vivendo em um mundo que nós mesmos criamos.

É por meio dessas explosões contínuas de pontos de partida psíquicos que nos renovamos. Este é o caso quando passamos por mudanças significativas em nossas vidas. O que inclui qualquer crise que pareça, no momento, traumática. Como tal, um evento desagradável é uma explosão que cria uma oportunidade de reformar nossa vida, esperançosamente de uma maneira melhor. Mesmo que nossas mentes se recusem teimosamente a entender isso, uma crise é uma chance de renovação.

Mas digamos que continuamos seguindo um caminho negativo, criando e recriando negatividade. Em última análise, as coisas chegarão ao ponto do absurdo e não poderão mais continuar funcionando. Estar em crise, então, significa que nos recusamos a prestar atenção aos sinais de alerta e deliberadamente falhamos em encontrar uma maneira de nos orientar em uma direção melhor.

Uma grande crise, então, pode ser um alerta. É uma chance de lutar por mais consciência do que realmente está acontecendo. É hora de ver como estamos usando nossas energias criativas.

Trabalhando com a carga criativa

A criação é infinita. São explosões contínuas, que são sempre um clímax, que liberam novas energias que formam novas espirais. Essas energias continuam preenchendo o vazio com a glória da divindade e da consciência. Não há fim para esta cobrança.

Mas a carga pode ser diminuída quando a tememos. Quando duvidamos. Quando o contrariamos com nossas ideias absurdas. Mesmo assim, porém, a carga não é perdida, mas apenas retida e impedida de se manifestar. No entanto, ele continua ganhando força nos bastidores, por assim dizer, e permanecerá lá até que estejamos prontos para usá-lo.

Nossa tarefa é descobrir onde estamos bloqueando essa carga criativa. Como estamos diminuindo a luz em nossa própria vida? Podemos começar agora mesmo a usar a parte de nossa mente que é capaz de observar nosso próprio pensamento. Devemos começar a ver que o que estamos pensando – nas áreas por trás de nossas criações negativas – é absurdo.

Enfrentando nossa dormência

Podemos gostar de pensar que nossos pensamentos não importam muito. Mas eles são o ponto de partida psíquico que leva às ações e criações. E, portanto, nossos pensamentos realmente têm enormes consequências.

Nosso trabalho é usar nossa própria mente para identificar os pontos de partida loucos ou tolos. E então procure encontrar a verdade correspondente. Podemos definir nossa intenção de nos endireitar, usando esse mesmo poder energético para mudar nosso pensamento para canais verdadeiros. E então podemos começar a construir pontos de partida positivos que se autoperpetuam.

Digamos que encontramos uma parte de nós mesmos que está amortecida. Dormente. E temos medo de acordá-lo e trazê-lo de volta à vida. O que está acontecendo é que os pontos de partida psíquicos em nosso sistema estão indo em uma direção negativa, e isso é assustador para nós.

Em algum momento do nosso passado, tivemos a inteligência e uma mente forte o suficiente para perceber que isso estava acontecendo. E parecia que tínhamos duas opções. Poderíamos expressar esse fluxo de energia e agir, o que muitas vezes significaria extrema destrutividade. Ou podemos amortecer essas energias e, assim, nos proteger delas.

Esta é uma situação comum para as pessoas descobrirem em algum ponto do nosso desenvolvimento. O que acontece é que sentimos essa grande onda de energia quando ficamos furiosos ou destrutivos. Isso é algo que simplesmente nunca experimentamos de maneira positiva.

Quando começamos a fazer nosso trabalho pessoal de cura, devemos aprender a expressar essa energia de uma forma que não prejudique os outros. Podemos assumir a responsabilidade por essas expressões e exalá-las em um ambiente - com um curador, terapeuta ou conselheiro treinado - onde ninguém é ferido por nós. Mas então ficamos perplexos. Porque tememos liberá-los ainda mais. Francamente, preferimos ser insensíveis do que destrutivos.

Quando chegamos a esta conjuntura, ainda não percebemos que existe uma escolha.

O impulso da carga que nossas atitudes negativas criavam era assustador para nós. Então nós desaceleramos as coisas. Agora é hora de reviver as coisas. Mas não é suficiente trazer essas energias de volta à vida sem também entender a consciência que está por trás do entorpecimento. Pois toda morte vem de uma intenção negativa.

O que também devemos ver – e entender completamente – é como nossa intenção negativa é baseada em uma ideia falsa. É só quando temos esse entendimento específico que podemos ousar reviver toda essa energia que vive constantemente em cada partícula do nosso ser. Então poderemos permitir que essa carga flua livremente mais uma vez. Mas agora pode começar a se sentir bem.

Uma recapitulação das fases do autodesenvolvimento

Vamos recapitular as fases pelas quais passamos ao seguir esses ensinamentos do Guia do Pathwork. Primeiro, procuramos encontrar nossas negatividades conscientes. Este é o material que já conhecemos. Nosso ódio, nosso rancor, nossa angústia e nosso desejo de fazer alguém pagar por nossa dor. Então devemos buscar nossas negatividades inconscientes ocultas.

Em segundo lugar, precisamos possuir tudo isso com o espírito de querer estar na verdade. Não negamos nossas negatividades, mas também não nos aniquilamos por elas, acreditando que essa parte de nós é tudo o que somos.

Terceiro, tendo descoberto as idéias falsas que estão enterradas em nossas atitudes negativas, nós as articulamos com clareza. Pode ser um pouco difícil tornar claro o que pensamos e acreditamos atualmente. Então, na última fase, mudamos nossa intenção. Isso requer uma formulação clara do nosso compromisso de passar do negativo para o positivo.

Essas fases geralmente se sobrepõem e nem sempre seguem essa sequência exata. Mas você entendeu a ideia.

Cuidado com a teimosia

Em um momento, chegaremos a algumas etapas práticas para trabalhar nessas fases. Por enquanto, apenas observe que podemos descobrir – por mais ilógico que pareça – que resistimos a esse processo. Apesar de nossa compreensão intelectual de que este é o caminho que devemos seguir, relutamos em energizar a matéria em nós que agora está entorpecida.

A razão para essa relutância é que ainda não estamos muito claros sobre nossa falsa ideia específica. O que acreditamos que não seja verdade? De que forma é falso? Qual é a ideia certa? É somente respondendo a essas perguntas que podemos abraçar nossa intenção positiva. Enquanto isso não estiver claro, temeremos a energia que desencadeia uma reação negativa em cadeia. Preferimos permanecer entorpecidos e meio mortos do que arriscar explodir nossa vida.

Mas não seja muito duro consigo mesmo. Até que estejamos prontos para tomar consciência de nós mesmos e elevar nosso nível de consciência, esse entorpecimento temporário tem uma função neutralizante. Portanto, não podemos tirar conclusões precipitadas sobre se estar entorpecido é bom ou não.

É igualmente verdade que, em certos estágios de nosso desenvolvimento, nossa intenção negativa causará uma crise em nossa vida. E esta crise servirá ao propósito de nos ajudar a crescer. Quando esse é o caso, perdemos tempo nos agarrando obstinadamente a essas energias presas e procrastinando desnecessariamente.

Esteja atento à teimosia. É uma parede interna que fica do lado de nosso medo e pensamentos dispersos para bloquear a orientação divina que quer fluir de dentro.

Dois exemplos simples de pontos de partida psíquicos

Quando começamos a examinar cada vez mais profundamente o que estamos criando com nossa mente e nossas intenções, podemos explorar tanto nossas criações positivas quanto nossas criações negativas. O que descobriremos é que os mesmos princípios existem de qualquer maneira. Então, isso nos ajudará muito a entender como esse processo funciona. Caso contrário, veremos o mundo fora de contexto, porque não veremos como tudo se interconecta.

Mas ao ver como os pontos de partida psíquicos individuais se acumulam para criar um processo maior, começamos a ver como nos encaixamos no mundo. E começamos a ver como nossos pensamentos contribuem para o nosso ambiente. Pois cada padrão é uma criação em si mesmo e, ao mesmo tempo, faz parte de um padrão maior de criação.

Aqui estão dois exemplos bastante simples de como isso funciona.

Exemplo 1: Caminhando até a esquina

Digamos que decidimos nos levantar, percorrer a sala em que estamos, descer as escadas e sair para uma esquina, por qualquer motivo. Podemos olhar para isso como um plano, uma configuração, uma espiral. Quando chegamos ao nosso destino, o plano se manifesta plenamente, que é o ponto explosivo e climático. Então esta criação em particular apareceu neste nível de realidade.

Mas antes que pudesse acontecer plenamente, tivemos que dar muitos passos menores. E cada uma dessas etapas pode ser considerada um plano em si. Pois tinha que haver uma intenção de mover nossos músculos, mesmo que agora o façamos automaticamente. Ainda assim, havia a intenção de caminhar até a esquina. E nosso movimento foi por causa de nossa intenção de seguir um determinado plano.

Ao todo, foi o propósito, o plano e a execução de cada etapa – de cada ponto de partida menor – que nos levou a concluir esta pequena criação. Mas nossa caminhada até a esquina não é uma criação isolada. Também faz parte de um plano maior. Este exemplo simples é importante de entender porque nos mostra como funciona o esquema da criação.

Exemplo 2: Construindo uma casa

Aqui está um segundo exemplo. Digamos que queremos construir uma casa. Todos os mesmos princípios se aplicarão com um número de pontos de partida psíquicos menores convergindo em um todo. E então estes continuam rolando em espirais maiores. No início, pode levar muitos anos para comprar um imóvel e contratar um arquiteto para projetar nossa casa. O arquiteto, por sua vez, executará seu próprio projeto e também contratará empreiteiros para organizar o processo de construção. Vários subcontratados também estarão envolvidos, que precisarão cooperar entre si. Em seguida, paisagistas e decoradores de interiores podem ser envolvidos até que a casa esteja finalmente terminada.

Cada passo ao longo do caminho é uma criação em si. Além do mais, a própria casa é um único passo em uma série de eventos criativos. É um pequeno passo que faz parte de um esquema maior em talvez um bairro, uma cidade e um estado. Sim, é uma casa. Mas também faz parte de algo maior.

O valor de ver a foto maior

Esses exemplos são simples. No entanto, eles podem nos ajudar a ter uma noção intuitiva de quantos pontos de partida psíquicos devem se entrelaçar para formar uma rede inteira. Eles continuam se movendo, criando, explodindo, desmoronando e reformando novos padrões. E está tudo relacionado ao plano maior.

No entanto, é difícil para nós imaginar o propósito e o significado por trás de tudo isso. No entanto, fazer isso pode nos dar um vislumbre da Mente Divina que está sempre trabalhando, trazendo sua sabedoria amorosa através do poder da criação.

Andar até a esquina pode não parecer muito. Mas é de fato uma criação que requer pôr em movimento um gênio criativo brilhante. Requer a coordenação e o controle dos músculos, além de inúmeros outros componentes. No entanto, essa caminhada até a esquina não é uma criação isolada. Devemos ter uma razão para caminhar até lá. E esse motivo também faz parte de um plano maior.

Na vida, estamos sempre tecendo e ampliando esses padrões criativos que se autoperpetuam. Cada fragmento é um pedacinho de perfeição que ajuda a formar um fragmento maior. Imagine a complexidade envolvida na criação de um ser humano. Um sistema matemático. Que tal uma galáxia? Existem sistemas dentro de sistemas dentro de sistemas. E, no entanto, é sempre esse mesmo processo criativo em ação.

Agora vamos voltar a olhar para nossos pensamentos e reações interiores, e nossa tendência de ver o mundo fora de contexto. Quanto menos pudermos ver que cada parte menor da criação é um fragmento de um todo, mais acreditaremos que a partícula menor é tudo o que existe. Que não tem conexão com mais nada.

Muitos de nós nos sentimos separados simplesmente porque não conseguimos perceber mais. Este é um reflexo de quão fragmentados estamos dentro de nós mesmos, em nosso estado atual de percepção ou consciência.

Mas quanto mais somos capazes de perceber que tudo o que experimentamos é apenas uma parte menor de um plano maior e contínuo - assim como os passos que damos em nossa caminhada até a esquina e como essa caminhada fazia parte de um plano maior em nossa mente — mais conscientes estaremos de como estamos conectados com o Todo. Que somos parte da consciência do tudo-é-um. E isso, amigos, nos aproxima da felicidade.

Ensaio 31: Parte Um | Parte dois | Parte TRÊS

Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Compartilhe