Ensaio 33 Então, como está o seu barquinho?

Se estivéssemos no Mundo Espiritual olhando para a Terra, veríamos este oceano de humanidade. Pois todos nós estamos vivendo em um mar de vida. E cada vida é um pequeno barco. Nesta imagem das coisas, o mar da vida pode estar tempestuoso e o céu pode estar cinzento. Mas então surge o sol novamente, acalmando as águas agitadas. Até que outra tempestade vem.

Não é assim que se vive, sempre alternando entre tempestades e céu ensolarado? Até que um dia, chegamos ao nosso destino.

E qual é o nosso destino? Terra firme. Parece ao contrário, mas é isso que o Mundo Espiritual de Deus realmente é. O terreno firme do divino é nosso verdadeiro lar. E chegar lá depende de como dirigimos nosso barquinho. Quão bons somos em navegar na vida?

Quando vemos nuvens se acumulando no horizonte, mais uma vez temos a chance de pegar os remos. Para dirigir nossa vida.

Quão bem lidamos com as tempestades?

Digamos que somos alguém que se sente bem preparado para a vida. Fomos bem treinados e temos alguma experiência. Então somos um capitão habilidoso que não tem medo do perigo. Como tal, vamos guiar bem o nosso pequeno barco através dos ventos uivantes e do alto mar.

Então, quando os períodos suaves de calma retornam, relaxamos e reunimos nossas forças para a próxima tempestade. Pois sabemos que haverá mau tempo novamente. E estaremos prontos para isso.

Outra pessoa fica nervosa toda vez que outra tempestade começa a se formar. Se formos nós, continuamos perdendo o controle de nossa vida. Ainda outra pessoa fica tão assustada que nem tenta dirigir seu barco. Eles apenas vagam pelas tempestades da vida, esperando o melhor e não aprendendo nada.

Precisamos perceber que essas condições difíceis da vida – essas tempestades repentinas – são testes. Quando vemos nuvens se acumulando no horizonte, inaugurando mais uma perturbação, mais uma vez temos a chance de pegar os remos. Para dirigir nossa vida.

Talvez, se olharmos ao redor – olharmos para nossa vida – possamos sentir onde nosso barco está agora.

O símbolo do mar

O mar é um símbolo que nos diz em alto e bom som que nada está perdido. Podemos ver isso na forma como a maré sobe e desce. Ele flui para a frente em grandes ondas, apenas para recuar. Para onde vai quando parece desaparecer e não existir mais?

De onde estamos na praia, havia água um momento atrás e agora ela se foi. Mas sabemos que a água não se desintegra em nada. Continua a existir na maior poça de água, sem nunca perder a sua qualidade única. E vai voltar.

Talvez seja o mesmo conosco.

Por que passar por todo esse esforço para nos purificar e desenvolver - para crescer e expandir - se não há nenhum propósito? Bem, na verdade, quanto mais conexões descobrirmos entre nossas atitudes internas e nossas experiências de vida, mais entenderemos que nada é arbitrário. Toda experiência tem um significado. Não há coincidências.

Nossa vida é um reflexo direto de quem somos agora, por dentro. Como nos expressamos determina o que criamos. E isso é verdade quer estejamos criando deliberadamente ou inconscientemente. Uma vez que começamos a desvendar os fios emaranhados – ganhando consciência dessas conexões – a vida fará sentido de uma maneira totalmente nova.

Veremos então que nada é em vão. Há um design magnífico no trabalho, tentando trazer tudo em harmonia. Assim que descobrirmos como as tempestades em nossa vida se conectam às tempestades em nossa alma, entenderemos a construção do tecido e veremos a sabedoria tecida nele. Ver como ajudamos a fazer esse tecido nos trará paz.

Ritmos do mar

O mar vai e vem, seguindo um ritmo muito particular. Seu ritmo pode ser interrompido temporariamente — por terremotos, maremotos ou interferência humana — mas nunca é quebrado. Após uma crise, o mar trabalhará para restabelecer seu ritmo único para que, mais uma vez, esteja em harmonia com o resto da criação.

O mar é sábio na maneira como segue esse padrão. Os seres humanos, por outro lado, com nossas mentes ocupadas e distraídas, muitas vezes sintonizam nossos padrões de ritmo únicos.

Se olharmos para o intervalo de tempo entre o refluxo e o fluxo do mar – entre a maré alta e a maré baixa – nunca é exatamente o mesmo. Um vai durar mais que o outro. É o mesmo com nossos ritmos humanos. Às vezes, as coisas se concretizam mais rapidamente. Em outras áreas, a espera pode durar mais tempo.

Quando estamos fora do ritmo de nós mesmos, pode ser útil rezar para ver as conexões entre os eventos e nosso eu interior. Mas talvez as respostas não venham imediatamente. Então poderíamos usar esse tempo de espera para aprender mais sobre nós mesmos. Aprender coisas que só aparecem em tempos de vazante, não em tempos de fluxo.

Sentindo nosso ritmo em todas as coisas

Nosso trabalho é aprender a sentir nosso próprio ritmo em todas as coisas. Se aprendermos a descansar e a brincar — a trabalhar e nos mover em harmonia com nosso ritmo único — viveremos uma vida mais frutífera. Seremos mais criativos, mais alegres e mais pacíficos. A inquietação desaparecerá e não nos sentiremos tão sobrecarregados pela vida.

Para alcançar este modo de vida, devemos elevar o nível de nossa consciência. Apenas sentar com a realidade de que essa possibilidade existe pode nos ajudar a chegar lá. Podemos agitar nossa imaginação e sentir como seria viver um dia no ritmo. Imagine uma navegação suave. Em seguida, compare isso com a maneira como a vida geralmente se sente. A sensação de seguir inconscientemente uma existência sem ritmo.

Ao visualizar a diferença diariamente, podemos começar a sintonizar nosso barquinho e ver como estamos. Podemos pedir orientação pessoal que flua de dentro, para nos ajudar a manter o foco nisso. E ficar, cada vez mais, no nosso próprio ritmo.

Perdendo nosso ritmo

Todos nós temos dias em que nos sentimos mal. Isso acontece quando há algo emaranhado em nossa consciência que ainda não estamos cientes. E isso nos faz sentir desconectados de tudo o que estamos vivenciando. Se pudermos aceitar esse padrão de ritmo, respeitando-o e usando-o de maneira construtiva, nosso ritmo seguirá seu curso natural e voltará a fluir novamente sem perturbação. Assim como o mar.

Mas, em vez disso, tendemos a responder de forma destrutiva, atrasando o retorno do nosso padrão de ritmo ao seu fluxo natural. Fazemos isso duvidando e nos rebelando, decidindo que este é um universo sem sentido, afinal. Ou talvez fiquemos com raiva porque estamos sofrendo. Igualmente perturbador é ter uma atitude de auto-rejeição que diz: “Eu sou uma pessoa tão ruim. Eu mereço ser punido assim.”

De acordo com o Pathwork Guide, nada é mais doloroso e assustador do que não ver a conexão entre um evento doloroso em nossas vidas e sua causa interior. Ter tempestades surgindo aparentemente sem motivo, e sentir que não temos voz. Uma vez que começamos a estabelecer as causas internas, no entanto, o que sentiremos é alívio.

Pegue um barco melhor

Assim, uma resposta melhor às dificuldades da vida seria: O que posso aprender com isso? O que posso aprender enquanto a maré está para fora que não pude aprender depois que ela flui? O que dentro de mim eu ainda não vejo? Perdi de vista o fato de que sou uma expressão única de Deus? Estou ciente de que Deus sempre me ama?

Essas são maneiras positivas de responder que ajudarão nosso ritmo a retornar a um curso mais harmonioso. Então, tomando seu próprio tempo - e provavelmente quando menos esperamos que aconteça - as conexões começarão a se abrir. De repente, compreensões verdadeiras podem fluir em um rio abundante de consciência. Nossa aflição desaparecerá e nosso sofrimento se transformará na rica bênção que sempre teve o potencial de ser.

E aquele que está sempre pronto para nos ajudar a fazer essas conexões? Ninguém menos que Cristo. Podemos ajudar-nos ativamente a encontrar harmonia em nossas vidas fazendo contato pessoal com Cristo. Mas os padrões de ritmo também funcionam aqui.

Em nossas mentes, podemos estar completamente confortáveis ​​com a realidade de Jesus Cristo. Em nossa vontade, podemos estar dispostos a nos render a Cristo, e podemos realmente querer isso. Mas talvez ainda não tenhamos sentido, em nossas emoções, a doce e amorosa presença de Cristo em nossa vida.

Talvez ainda estejamos esperando que isso aconteça. Então, podemos ficar impacientes para que isso aconteça. Começaremos a duvidar. E é assim que rompemos as sementes que plantamos.

Quando esperamos, mas a experiência emocional não chega, não é que Cristo esteja nos deixando esperando. É que ainda temos barreiras internas que precisam ceder. E isso acontecerá quando restaurarmos nosso ritmo pessoal único.

“Por favor, meus amigos, lembrem-se bem dessas palavras, porque aqui seu contato pessoal com Jesus Cristo é novamente sua melhor solução. Somente permitindo-se conhecer - e mais tarde sentir - Seu amor e total aceitação de quem você é agora, não importa quão falho, imperfeito e destrutivo seu eu inferior possa ser, você será capaz de fazer o mesmo. Só então você confiará em sua natureza divina suprema.

“Então você será capaz de se dar ao luxo, se assim posso dizer, de aceitar suas distorções – seus pecados, se quiser – sem perder o chão sob seus pés. E essa é a posição saudável que permite alcançar a verdade e a harmonia consigo mesmo, com os outros e com a vida.”

- Pathwork® Aula 258 do Guia: Contato Pessoal com Jesus Cristo—Agressão Positiva—O Real Significado da Salvação

Quando estivermos prontos para fazer um trabalho espiritual mais profundo, estaremos prontos para obter um barco melhor. E neste novo barco, podemos nos sentir segurados e guiados por Cristo, e capazes de descansar. Isso nos dará o sustento de que precisamos para cumprir nossa tarefa na vida.

Mesmo que nossos sentidos ainda não possam perceber, Cristo se preocupa com cada um de nós. Ajudará a nos lembrarmos disso e não nos desesperarmos. Cristo está aqui, ajudando-nos a aprender a navegar bem na vida e a guiar nosso pequeno barco ao nosso verdadeiro destino.

-Jil Loree

Adaptado da Aula nº 258 do Pathwork Guide: Contato Pessoal com Jesus Cristo — Agressão Positiva — O Verdadeiro Significado da Salvação.

Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o primeiro ensaio espiritual

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Compartilhe