Ensaio 31b Entendendo o tempo e o “Ponto do Agora”

A Queda continua ocorrendo sempre que fazemos com que nossa consciência se fragmente.

Ensaio 31 | Parte dois

Entendendo o tempo e o “ponto agora”

O tempo é outra coisa que resulta da fragmentação. Pois o tempo é realmente apenas a ilusão que é criada por ter uma visão desconectada da realidade. Para continuar usando um dos exemplos para este tópico, o tempo é a percepção apenas das etapas parciais, dessas unidades criativas menores. Muitas vezes não podemos ver toda a estrutura da qual essa partícula de tempo faz parte. E isso nos faz sofrer com a sensação de que as coisas não têm sentido.

Parte do problema é que só vemos as coisas de maneira linear. Pois é disso que a mente humana é capaz, vivendo neste estado limitado de consciência. Nesse estado, estamos fragmentados, de modo que não podemos perceber mais plenamente do que percebemos. Estamos alheios ao processo maior.

Isso significa que não podemos ter dimensões infinitas de largura, profundidade ou escopo. Então, quando experimentamos o tempo, estamos experimentando o que está acontecendo como uma sequência, em vez de vê-lo como parte de um todo. No entanto, cada momento do tempo - cada fragmento de segundo - é um desses pontos de partida psíquicos que contém significado e consciência, juntamente com propósito.

Se pudéssemos encadear segundos, não apenas em uma linha, mas também em profundidade e largura, poderíamos perceber que não há tempo. Pudemos ver que cada ponto no tempo – cada “ponto agora” – é um ponto de criação que é infinito e está sempre presente.

Ocasionalmente, podemos ter uma noção desse “ponto agora”. Mas viver lá o tempo todo exige que alcancemos estados mais elevados de consciência. E que devemos trabalhar.

Mas à medida que continuamos crescendo e amadurecendo - transformando cada vez mais nossa negatividade consciente e inconsciente - perceberemos que a vida não é composta apenas de fragmentos imediatamente óbvios. Começaremos a sentir como cada fragmento é parte de um fragmento maior. E, eventualmente, nos tornaremos prontos e capazes de experimentar o “ponto agora”.

Talvez já tenhamos indícios desse tipo de percepção. Se assim for, isso será suficiente para imprimir em nossas mentes que há muito mais na vida do que está diante de nossos olhos.

Estar no agora

Como é viver no “ponto do agora” e estar completamente no agora? É ter um senso do eterno. E que é a verdadeira felicidade. Pois então somos destemidos, verdadeiramente seguros e totalmente certos do significado da vida. Sabemos — não como uma ilusão, mas com absoluta certeza — que a vida não para simplesmente porque uma certa manifestação momentânea cessa.

Quando não há mais medo, pode haver relaxamento completo. Este é um estado totalmente destemido em que não há tensão nem contração. Mas isso não significa que estamos em um estado totalmente passivo. Não estamos flácidos ou imóveis. Em vez disso, estamos em um estado flexível em constante movimento, aberto e receptivo.

Tendemos a associar a flexão com o aperto e a defesa. Mas no estado puro, o aperto é o que dá impulso ao movimento criativo. É uma espécie de cobrança. Ao alternar entre carregar e soltar, temos um todo criativo. Mas ambos os movimentos são relaxados, sem medo ou defesa.

Nesse estado, somos capazes de experimentar a bem-aventurança. E estamos em um estado profundo de saber que tudo está bem. No fundo, todos ansiamos por isso. Mas ao longo do caminho, fragmentamos nossa consciência. E agora estamos criando essa falsa realidade que chamamos de nosso mundo tridimensional.

No fundo de nós mesmos, porém, nunca perdemos nossa conexão com a realidade maior de nosso ser eterno. Essa é a parte de nós que ainda é capaz de experimentar o “ponto agora”. E nossa consciência humana se esforça continuamente para recuperar esse estado eterno, quer percebamos isso ou não.

Nossa motivação para melhorar as coisas

É a nossa busca por esse outro estado melhor que nos motiva a continuar crescendo, continuar buscando e seguir em frente. Ao longo do caminho, devemos aceitar que estamos enfrentando dificuldades temporárias que nós mesmos criamos. E devemos atravessá-los como passaríamos por qualquer túnel, como forma de nos libertarmos de nossas obstruções internas.

Sem dúvida, isso exigirá um pouco de motivação.

Grande parte de trilhar um caminho espiritual tem a ver com a batalha que enfrentamos entre querer seguir em frente – seguindo nosso anseio por liberdade e paz – e nossa resistência. E, no entanto, quando desistimos de lutar pelo que nosso coração sabe ser possível, desistimos de nossa própria liberdade. Todos nós temos que passar por essa guerra interior.

Até que, em algum momento, vencemos essa luta nos comprometendo com o movimento, mesmo que isso traga dificuldades ou desconfortos momentâneos. Claro, é uma ilusão que podemos evitar dificuldades ou desconforto. Essas coisas vão acontecer, quer decidamos ou não nos mover na direção de nossa própria divindade interior ou não - mesmo que esse seja sempre nosso destino final de qualquer maneira.

Na verdade, porém, é apenas seguindo o caminho do movimento que podemos entender o que são as dificuldades que experimentamos. E isso precisa acontecer para nós realmente dissolvê-los. Assim, embora negar qualquer dificuldade possa parecer eliminá-la temporariamente, mais tarde, quando decidirmos nos voltar para dentro e enfrentar a nós mesmos, parecerá que voltar para dentro é o que cria a dificuldade. Mas isso também é uma ilusão.

Nossos muitos atalhos para a felicidade

Nosso esforço para tornar a vida melhor nos motiva. E, eventualmente, essa motivação interna é o que balança a balança nessa batalha entre o movimento e a estagnação. Entre a realidade e a ilusão. E entre sentir satisfação ou desespero. Tenha em mente, quando escolhemos movimento e realidade, encontramos realização. E, no final, é isso que todos nós estamos realmente procurando.

Em um estágio ou outro, chegaremos lá.

Mas ainda somos humanos. E assim procuramos atalhos. Achamos que podemos obter as guloseimas – satisfazer nosso desejo mais profundo – e não ter que pagar nenhum preço por isso.

Qual é o preço que devemos pagar? É o trabalho duro de procurar e encontrar, de aprender e crescer, de mudar e purificar a nós mesmos. Devemos viajar por toda a dor que criamos para nós mesmos. Devemos ver onde a escuridão – e toda escuridão é alguma forma de mal – vive em nós.

Então, quais são alguns dos atalhos que tentamos tomar? Aqui estão alguns:

Atividade sexual como um atalho

Vamos começar com a atividade sexual. Na experiência sexual, podemos experimentar a experiência feliz do agora, mas raramente podemos sustentá-la. Como tal, podemos tentar usar a sexualidade como uma forma de escapar de nossos problemas. Quando usamos o sexo - por si só - como uma forma de evitar as partes desagradáveis ​​da realidade, esta é basicamente uma maneira barata de obter alguma aparência de felicidade. Claro, qualquer tipo de trapaça nunca pode funcionar. Como resultado, essa felicidade será de curta duração e provavelmente problemática.

Alternativamente, quando duas pessoas experimentam um crescimento honesto juntas, sua união sexual será uma expressão de felicidade. Pois resultará de duas pessoas se relacionando profundamente e se fundindo espiritualmente, emocionalmente, mentalmente e fisicamente. Assim, através da união sexual madura e saudável, o verdadeiro “ponto agora” pode ser experimentado temporariamente.

Drogas como atalho

A maneira mais gritante pela qual as pessoas buscam uma experiência do “ponto agora” é através das drogas. Pois as drogas têm uma maneira de remover nossos limites físicos tridimensionais e revelar o que está por trás do grande véu. Mas quando temos tal revelação sem merecê-la – o que só pode ser feito tornando nosso estado de consciência compatível com tal experiência – então o preço que pagamos será muito alto. A mesma coisa vale para usar o álcool como um atalho para a felicidade.

As pessoas escolhem esses atalhos porque suas almas se lembram de que esse estado de bem-aventurança existe. Mas, ao mesmo tempo, a pessoa resiste em fazer o trabalho para chegar lá. Portanto, fugir para as drogas e o álcool é uma tentativa de compromisso que não funciona. Pior ainda, a queda inevitável do estado de bem-aventurança parece ainda mais dolorosa. E o estado normal de consciência da pessoa é muito mais sombrio.

Ressuscitando o Cristo na Prática do Caminho A História da Dualidade, da Escuridão e da Ousada Salvação conta a história sobre a Queda dos Anjos. Como nas Escrituras, a Queda tende a ser vista como simbolizando um evento único. Na verdade, a Queda ocorre fora do tempo. Ocorre – e continua ocorrendo – sempre que violamos a lei espiritual, fazendo com que nossa consciência continue se fragmentando.

Sempre que buscamos o “agora” de maneira falsa, estamos tentando obter o resultado sem pagar o preço. Insistimos em querer estar no céu, mas não queremos trabalhar para nos prepararmos para isso. E assim acabamos mergulhando no inferno.

Exercícios de meditação como um atalho

Um terceiro atalho que algumas pessoas usam é através de exercícios de meditação. À primeira vista, esta parece ser uma pesquisa honesta. Afinal, normalmente envolve uma longa prática de exercícios de concentração. Às vezes, também haverá um estilo de vida ascético destinado a preparar uma pessoa para esse tipo de experiência. Mas às vezes, isso também é tudo uma ilusão.

Pois é possível produzir “resultados” através de jejuns prolongados, cânticos, recitação de frases meditativas auto-hipnóticas e exercícios de concentração. Por meio de tais técnicas, pode-se ter uma experiência de curto prazo que, mais uma vez, revela o que está além dos véus.

Mas se estivermos fazendo essas coisas como um substituto para o verdadeiro autodesenvolvimento e autotransformação profunda - para o tipo de auto-investigação que leva à mudança real em nossas distorções profundamente ocultas - o resultado será semelhante, em essência, a os atalhos mais obviamente destrutivos que acabamos de mencionar.

Alcançar o feliz “ponto agora” só pode realmente acontecer como resultado da unificação. E isso devemos conquistar lentamente através do nosso trabalho de desenvolvimento pessoal para que seja verdadeiramente nosso. Caso contrário, vamos nos esforçar muito em algo – como exercícios de meditação que são mecânicos – que não podemos manter com uma sensação de facilidade.

Eventualmente, esta parte se separa de nossas partes que permanecem subdesenvolvidas, que empurramos para fora de nossa consciência. Agora acontece uma grande fratura interna. Pois devido à busca de nossos atalhos, em vez de nos tornarmos mais unificados, nos tornamos ainda mais divididos. A personalidade de alguém que segue esse atalho era na verdade menos dividida quando começou do que será depois de experimentar e saborear os felizes “pontos do agora” alcançados por meios artificiais, como por meio de práticas e exercícios mecânicos.

O mal de sonhar acordado

Muitas pessoas têm tendência a sonhar acordado. E a maioria de nós não acha que haja algo de errado com isso. Parece ser um passatempo inofensivo que não faz mal a ninguém. No entanto, quando sonhamos acordado, estamos nos prejudicando profundamente.

Quando as crianças sonham acordadas, tudo bem. Mas, à medida que amadurecemos, naturalmente pararemos de fazer isso. Se, no entanto, continuarmos a sonhar acordados como adultos, isso indica que realmente não amadurecemos. Nós abrigamos fragmentos que ainda estão presos na infância. Pois se realmente amadurecemos, viveremos na realidade e não na fantasia.

Quando estamos sonhando acordados, estamos fugindo da realidade. Se a vida parece muito difícil, podemos tentar escapar dela evocando ideias de como gostaríamos que fosse. Infelizmente, não podemos resolver nossos problemas da vida real quando não estamos dispostos a olhar para eles e encontrar suas raízes.

Todos os pensamentos têm forma ou substância nas esferas espirituais. Os devaneios também criam formas, mas essas formas-pensamento impedem qualquer realização real que possamos querer trazer. Embora pareça tentador escapar de maneira tão inofensiva, não devemos nos deixar tentar assim. Porque fazer isso é um desperdício de nosso tempo.

Em vez disso, todo o tempo que investimos nesse passatempo poderia ser melhor usado para ver o que está nos impedindo de realmente cumprir a nós mesmos e nossa missão na vida.

Como tal, podemos comparar sonhar acordado a usar drogas. Se tomarmos uma droga uma vez, provavelmente não prejudicará nosso corpo ou nosso espírito. Mas uma vez que começamos, existe o perigo de não conseguirmos parar. Na verdade, existem muitas pessoas viciadas em devaneios e estão usando sua energia disponível para construir estruturas inúteis. Eles essencialmente se retiram da realidade da vida e abandonam a realidade futura que eles poderia criar - uma que seja satisfatória e recompensadora - se eles não se permitirem sonhar acordados.

Ensaio 31: Parte um | Parte dois | Parte TRÊS

Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Pronto? Vamos vá em frente!

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe