Ensaio 20 Se sentindo perdido? Veja como se encontrar

Em um momento ou outro, a maioria de nós se sentiu perdida. Nós sentimos como se estivéssemos perdidos. O que realmente nos falta é a nossa própria luz interior. E no que estamos perdidos é a ilusão da dualidade. Mas dizer a alguém que eles estão perdidos na ilusão não os ajudará nem um pouco a serem encontrados. O que precisamos para nos encontrarmos é um mapa.

Como mandalas coloridas, cada um de nós é um design único, mas todos estamos fazendo a mesma jornada interior.

A forma básica do mapa da psique é uma mandala. Em geral, uma mandala representa uma jornada espiritual. Começando do lado de fora, viajamos pelas camadas para chegar ao núcleo interno. Claro, existem tantos desenhos de mandalas quanto pessoas. Então, em certo sentido, cada um de nós é uma mandala colorida única, criada com um design muito específico. No entanto, no final, somos todos iguais, pois estamos fazendo a mesma jornada interior.

E para onde vamos todos? Qual é o destino? Para encontrar a luz em nosso centro de nossa alma. Esta é a jornada humana, criada pela condição humana. Em outras palavras, nosso objetivo é alcançar nosso âmago e deixar nossa luz particular brilhar. Algumas tradições chamam isso de alcançar a iluminação. Mas para chegar lá, precisaremos superar alguns obstáculos ao longo do caminho.

MAPA DA CONDIÇÃO HUMANA
Ego não curado: Corre, nega, evita, escapa (vícios)
Acordando o ego: Começa a prestar atenção
Vergonha: Sinta a necessidade de se esconder
Máscara da perfeição: Estratégia ineficaz para conseguir amor
Defesas (Máscara): Ataques • Submissões • Retiradas
Eu inferior pequeno-L
: "Não posso"
Eu inferior grande-L: “não vou”
Ego saudável: Rendas
Eu Superior: eu sou leve

O que devemos enfrentar?

Aqui está a configuração. Todos nós viemos ao mundo totalmente indefesos, tornando perfeitamente natural que os bebês só possam receber. E se pudéssemos parar por aí, as coisas poderiam acabar bem. Mas, na verdade, não é só que as crianças estão conectadas a receber. Eles também querem receber o tempo todo, da melhor maneira, e sempre fazer o que querem.

E isso, amigos, é impossível.

Por um lado, todas as crianças têm pais ou responsáveis ​​que são imperfeitos. Mesmo os pais mais bem-intencionados simplesmente não são capazes de dar amor 100% puro. Segundo, este mundo tem limites, então ter bons limites é importante. O que significa que as crianças não podem ter o que querem o tempo todo.

Apresentando a realidade da vida no planeta Terra.

Este mundo repousa sobre uma base de dualidade. Isso significa que existem forças boas e ruins aqui. Portanto, uma boa paternidade deve envolver o estabelecimento de limites. Então, à medida que crescemos, cada um de nós deve aprender a diferença entre o que é “bom” e o que é “ruim”. E nem sempre é óbvio. Você poderia até dizer que a experiência humana é aprender a discernir e fazer melhores escolhas.

Desde o início, estamos preparados para a luta. Ninguém acerta.

Avance algumas décadas e agora somos adultos. E ainda assim estamos definhando. A única maneira de sair desse atoleiro é a humanidade entender por que estamos aqui. Qual é o sentido de ser humano? Como podemos mudar as coisas?

Vivendo na terra do esconderijo

No Mundo Espiritual, onde a linguagem espiritual é bem diferente da nossa linguagem humana, eles têm um nome para essa esfera que chamamos de Terra. O nome implica que a Terra é uma esfera de desconexão, uma dimensão de consciência fragmentada. Que há buracos em nossa consciência. E essas interrupções criam elos perdidos em nossa consciência do que está acontecendo em nossas vidas. Essas lacunas, então, muitas vezes nos enganam e distorcem nossa compreensão da realidade.

Todos nós somos cegos para certas coisas. E o que mais desconhecemos é a paisagem de nosso próprio eu interior. E é por isso que nos perdemos.

Por um lado, muitas vezes não conhecemos a verdadeira profundidade do nosso magnífico Eu Superior. Portanto, não sabemos profundamente o quanto cada um de nós importa. Também não percebemos nossas qualidades essenciais positivas e ainda podemos estar agindo de forma distorcida. Além disso, ainda não vemos que temos tudo o que precisamos, lá no fundo. Que somos suficientes.

Tornando-se vulnerável e imperfeito

Uma coisa em que precisamos trabalhar é nos tornarmos vulneráveis. Devemos aprender a deixar que as pessoas nos vejam – inclusive deixando-nos ver a nós mesmos – mesmo que a princípio o que vamos encontrar sejam nossas falhas do Eu Inferior. Mas nossas falhas nada mais são do que aspectos que estamos aqui para converter de volta à sua bondade subjacente. Podemos até considerar pedir a nossos amigos próximos ou familiares que nos ajudem a ver nossas falhas, para que possamos trabalhar com eles. (Confie em mim, eles já os veem e podem apreciar a chance de nos ajudar a vê-los também.)

Para chegar a essas camadas mais escuras e densas do Eu Inferior, também precisaremos ver como fingir ser perfeito é na verdade parte do problema. A raiz do perfeccionismo vem do nosso desejo de ser aprovado e amado. Nossa crença equivocada é que, se formos perfeitos, teremos tudo. Na verdade, nunca funciona assim.

Primeiro, neste plano dualista, a perfeição não existe. Lembre-se, o bem é sempre um pacote com o mal. Em segundo lugar, o que aprenderemos é que ser vulnerável e real nos levará muito mais longe em nosso caminho. Tentar ser perfeito só nos manterá correndo atrás do próprio rabo. E julgar a nós mesmos por nossas imperfeições só atrapalha nosso progresso.

As duas fases da cura

Há dois estágios que devemos percorrer em um caminho espiritual de cura. No primeiro estágio, estamos eliminando nossos obstáculos internos. Isso inclui uma longa lista de negatividade, como nossa rebeldia, destrutividade, resistência e desafio. Também enterramos mal-entendidos para desenterrar e blocos congelados de energia para liberar. Há muito trabalho a fazer.

A parte de nós que orquestra o processo de cura é o nosso ego. Na verdade, o que precisamos desenvolver é um ego forte o suficiente para, eventualmente, se desapegar de si mesmo.

Deixar insalubre entrar no vício

Reter, segurar e não soltar são movimentos clássicos de um ego que ainda não eliminou os obstáculos do nosso Eu Inferior. Um ego tão doentio se recusa a desistir do controle, acreditando que deixar ir significa a morte para o ego. Na realidade, deixar ir é a intenção do ego.

Mas devemos aprender a deixar ir da maneira certa. A ideia é deixar entrar nossa própria conexão profunda com a verdade, incluindo a verdade de quem somos. Este não é um evento único, mas algo que devemos praticar repetidamente até que morrer na verdade de cada momento seja nosso movimento natural. É assim que realmente aprendemos a viver.

O que acontece se o ego tentar se soltar sem antes fazer o trabalho de auto-realização? Ele vai deixar ir de uma forma insalubre. Esta é a razão fundamental para os vícios. Em qualquer caminho espiritual de auto-iluminação, devemos primeiro limpar nossos vícios antes que possamos fazer qualquer progresso verdadeiro. Pois eles são uma fuga de fazer o trabalho de cura, e não um caminho para a liberdade.

Os vícios são armadilhas que nos mantêm trancados fora de nossa própria divindade. Como tal, as adições nunca nos levarão aonde realmente queremos ir.

Curiosamente, as pessoas com vícios muitas vezes fazem parceria com pessoas que não abrem mão, que não abrem mão do controle do ego. Com um ego tão doentio, também haverá uma tendência a alternar entre esses dois extremos errados. Deixado por conta própria, o ego não tem muitas alavancas para puxar. Mas o vício e a codependência definitivamente não são as alavancas certas para se jogar.

A maneira certa de deixar ir

No segundo estágio de nosso trabalho de cura, o ego deve trabalhar ativamente para se render e se alinhar com a orientação que flui de dentro. Ao passo que precisamos que outros nos ajudem no primeiro estágio - pois nossa falta de consciência nos impede de nos vermos na verdade - devemos fazer o segundo estágio por nós mesmos.

“Se quisermos aprender a confiar em Deus, precisaremos viajar por alguns estados mentais provisórios criados por nós mesmos. Mas, como tantas vezes acontece, esperamos poder evitar o que nós mesmos criamos, incluindo dor, confusão, vazio e medo. No entanto, essas são as coisas que precisaremos abraçar para que possamos entendê-las em nosso caminho para dissolvê-las…

“Muitas vezes, o que limita nossa realização de desejos é nossa insistência de que a satisfação só pode vir de uma maneira específica. Mas se deixarmos que o processo criativo tenha alguma corda e margem, sentiremos que ele supera de longe o que esperávamos ou podíamos visualizar. Nossa mente do ego dificilmente pode conceber a riqueza do universo. Precisamos aprender a nos esvaziar no momento para que o divino possa se revelar a nós. Isso é o que significa “deixar Deus”…

“A chave para criar um sistema de energia aberto é abrir mão da confiança. Mas não podemos chegar lá em um passo gigante. Devemos estabelecer alguns elos intermediários, sem pular etapas ao longo do caminho. Esses vínculos construirão uma ponte para ter expectativas genuínas e positivas sobre a vida livre de pressão, ansiedade e dúvida. Desenvolveremos uma fé profunda em um universo gentil e atencioso, onde podemos ter o melhor, de todas as maneiras possíveis. Que chave valiosa.”

- Pérolas, Capítulo 17: Descobrindo a chave para deixar ir e deixar Deus

Ficar solto

A razão pela qual estamos definhando é que estamos presos. E isso, pessoal, é a condição humana. Pois o Eu Inferior de cada pessoa está preso de alguma forma, além de entorpecido, rígido e imutável. Essas qualidades são o que o Eu Inferior usa para construir paredes internas que criam nossa prisão feita por nós mesmos.

“Esta é uma das melhores razões para embarcar em um caminho espiritual: ganhar liberdade pessoal das cadeias de nossas distorções internas. Pois é quando não assumimos a responsabilidade por nossos próprios problemas que nos fechamos em correntes. E então afirmamos que outra pessoa tem a chave. É assim que eliminamos nossa própria liberdade.

“O que devemos perceber é que há um preço justo e natural que devemos pagar pela liberdade. É autorresponsabilidade. E quanto mais evitamos, mais alto o pedágio se torna…

“É nosso desejo de evitar a auto-responsabilidade que resulta em nossa falta de compreensão, nosso discernimento desequilibrado e nossa incapacidade de pesar o bem e o mal. Portanto, são nossas tentativas de escapar e nos enganar que nos mantêm presos.”

- Leis Espirituais, Capítulo 17: Sendo Afetado

Com o tempo, resolveremos o que está bloqueando nossa luz. Para isso, devemos:

  • Solte nossas defesas
  • Desenvolva o tipo certo de egoísmo
  • Superar nosso ódio, rancor e ganância
  • Descubra e dispense meias verdades
  • Pare de esconder e guardar segredos
  • Deixe de lado o controle
  • Mova-se de mim contra você, para mim e você
  • Enfrente nosso “não” à vida
  • Solte o tipo errado de vergonha

“À medida que fazemos o trabalho de autoconhecimento, marchamos continuamente em direção à liberdade pessoal. E embora, em última análise, todos sejamos capazes de desfrutar de liberdade total, nossa liberdade começará limitada, pois devemos percorrer os resultados do que criamos. Na verdade, não podemos pular as dificuldades agora, quando nossas ações e atitudes passadas foram baseadas na ilusão e, portanto, são destrutivas.

“Mas anime-se, pois possuímos total liberdade para agora escolher as atitudes que nos levam ao nosso destino autoproduzido. Quando vemos que todos os nossos obstáculos foram criados por nós mesmos – um resultado direto de nossas distorções internas – temos a informação de que precisamos para evitar a reciclagem das mesmas experiências, ou talvez piores. Dessa forma, nossas pedras de tropeço se tornam nossos degraus.”

- Leis Espirituais, Capítulo 24: Criando

A saída

Uma visão geral de como fazer o trabalho de cura

AÇÃOSEGUIR ATRAVÉS
Algo aciona um reação emocionalTraga razão para nossas emoções para descobrir a causa
Sai de culpa e de ser uma vítimaAssuma a responsabilidade de ver causa e efeito
em você
Orar & meditar para ver a verdadeUse o ego maduro para se conectar com o Eu Superior
Encontre o imagemExpresse claramente a declaração da crença
Solte dor residualSinta a dor das necessidades não atendidas
Encontre o dualidadeVeja o equívoco e aberto para ver a realidade
Sinta e relaxe o forçando correnteOu encontrar o colapso em desesperança
Reconhecer falhasRevele a tríade de orgulho, medo e obstinação
Conectar com prazer negativoDescubra o prazer em ser destrutivo
Transformar intenção negativaEncontre onde você precisa dar
Procurar por um sem correnteEncontrar pensamentos defeituosos que prejudicam a realização
Descobrir necessidades reaisOre e medite para se conectar com seu desejo
Impressione a substância da alma com nova consciênciaReeducar a criança interior com a verdade
Ore por curaDeixe a energia divina preencher e curar a ferida

Terapia versus um caminho espiritual

O trabalho de cura pessoal é em grande parte o que as pessoas estão fazendo em todas as várias formas de terapia disponíveis hoje. Uma diferença fundamental entre terapia e um caminho espiritual é que a terapia geralmente é um tratamento de tempo limitado para lidar com um problema específico da vida. Um caminho espiritual, por outro lado, lida com toda e qualquer desarmonia na vida. Porque todos os nossos problemas na vida estão nos apontando para o nosso trabalho interior.

Ambos, entretanto, são veículos válidos e eficazes para trabalhar durante o primeiro estágio de nosso trabalho de cura pessoal. E nunca estamos muito velhos para começar. Afinal, não há outra razão para a experiência humana do que transformar nossa negatividade e conhecer nosso verdadeiro eu.

Aspectos-chave da jornada espiritual (veja o texto abaixo)

Aspectos-chave da jornada espiritual

Unidade
Tudo é um

A Queda
Use nosso livre arbítrio para experimentar aspectos negativos das qualidades divinas; A descida para as esferas escuras causou divisão masculino-feminina, juntamente com divisões internas e fraturas na psique.

O Plano de Salvação
O plano que nos dá um caminho para escapar das trevas e retornar a Deus, se assim o desejarmos; Agora podemos nos salvar.

~Encarnação~
Assumimos a tarefa de curar um certo aspecto de nossa negatividade nesta vida.

Transferência
A divisão da alma principal é transferida para os pais.

Máscara Eu: Defesas

Vergonha
Camada externa de nossa máscara que quer esconder nossas distorções internas de nós mesmos e dos outros.

Autoimagem idealizada

A máscara da perfeição é projetada para compensar a falta de auto-estima e trazer amor: “Se eu sou perfeito, então serei amado.

Defesas
Escolhemos uma estratégia para evitar a dor e seguir o nosso caminho: Agressão, Submissão ou Retirada.

Eu Inferior do Pequeno L: “Eu não posso”

Necessidades não atendidas
Criança quer amor 100% perfeito, exclusivo e sempre à sua maneira; Devido à natureza da realidade, isso resulta em sentimentos de rejeição e frustração, que fazem com que a criança se sinta inferior.

Imagens
Conclusões erradas sobre si mesmo, os outros e a vida são generalizadas e vão para o inconsciente.

Blocos
A resistência a sentimentos dolorosos cria blocos congelados de energia e consciência, que são mantidos na psique e aparecem no corpo.

Eu Inferior Grande-L: “Eu não vou”

Crítica interna
A voz interiorizada dos pais torna-se cruel consigo mesma.

Falhas
O Eu Inferior usa várias maneiras defeituosas para superar seu medo de humilhação (medo) e sentimentos de inferioridade (orgulho); Ele quer vencer e não deixa os outros fora do gancho (vontade própria).

Prazer Negativo
A corrente do prazer se ligou à dor durante a infância; A força vital é posteriormente ativada por meio da destrutividade.

Intenção Negativa
O Eu Inferior resiste a ceder ou ceder; Usa imagens para justificar isso; Permanece preso e, portanto, permanece separado.

Corrente do Não
A crença defeituosa oculta diz Não à realização, tornando o Sim atual frenético e ineficaz.

Círculos viciosos
Padrões negativos são continuamente recriados, resultando em dor, ódio, vergonha, culpa e autopunição.

Eu Superior: “Eu não posso fazer isso sozinho”

~Purificação~
Devemos trazer tudo isso à consciência; Clame a Deus para ajudar a corrigir o pensamento errado, liberar a dor não sentida, reeducar a criança interior e visualizar uma nova realidade baseada na verdade; Devemos encontrar nosso não oculto à vida e transformá-lo.

~Transformação~
Ative a maior consciência interior.

Unidade
Renda-se continuamente e conscientemente a Deus; Experimente o eu como um com todos.

- Jill Loree

Orientação para começar

“Vamos todos ficar muito quietos, e eu direi as palavras, e dentro de você tente seguir estas palavras: Fique quieto e saiba que eu sou Deus, o poder supremo. Ouça esse poder interior, essa presença e essas intenções. Eu sou Deus, todos são Deus. Deus é tudo, em tudo que vive e se move, que respira e sabe, que sente e é.

“Deus em mim tem o poder de fazer com que o pequeno ego separado conheça o poder supremo de integrar esse ego. Tenho a possibilidade de sentir todos os meus sentimentos — lidar e lidar com todos os meus sentimentos. Essa possibilidade existe em mim, e sei que essa potencialidade pode ser realizada no momento em que a conheço. E agora escolho saber que posso estar vivo; Sim, eu tenho força para ser fraco e vulnerável.

“Eu posso aceitar minha dormência agora, minhas inseguranças, meu estado de sentimento e meu estado de não sentimento. E eu posso ouvir neste estado e esperar. Eu posso ficar quieto e sentir dentro de mim. Além disso, posso ficar quieto e ouvir minha inteligência superior, a inteligência de Deus, me instruir. Se eu tentar, posso estabelecer esse contato.

“Pagarei o preço dando o melhor que tenho e sou à vida. Vou viver minha vida honestamente em querer dar o melhor. Pois então poderei receber o melhor sem me encolher. Não tenho medo de investir o melhor de mim na vida.”

– O Caminho® Guia de perguntas e respostas nº 201

Maneiras de aprender mais
Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe