Ensaio 31c A saída da miséria

Quando corremos, estamos comprando a ilusão de que podemos evitar qualquer coisa que achamos desagradável.

Ensaio 33 | Parte TRÊS

A saída da miséria

Se realmente queremos que as dimensões ilimitadas da realidade nos sejam reveladas – se queremos alcançar o bem-aventurado “ponto agora” – há apenas uma maneira segura de fazê-lo. Simplificando, devemos cumprir a tarefa para a qual viemos aqui. E é percorrendo um caminho espiritual autêntico – como o que nos foi estabelecido pelo Guia do Pathwork – que podemos fazê-lo.

Temos que aprender a viajar através da nossa dor. Isso inclui a dor de nossa culpa, de nossas ilusões e de nosso lado ainda não desenvolvido. Em última análise, isso é o que realmente tudo se resume.

Vivendo fora do “ponto agora”

Se não estamos vivendo atualmente em êxtase, isso significa que perdemos nossa conexão com o “ponto agora”. Em outras palavras, nos sentimos isolados da realidade espiritual. Então pensamos que a realidade temporária que criamos para nós mesmos aqui na Terra é a única realidade. Mas esta terra de dualidade é uma realidade ilusória, se podemos usar uma frase aparentemente paradoxal.

Agora, aqui está a parte mais importante deste ensinamento para entender: Estar no “ponto agora” significa que estamos intensamente conscientes do que esse “ponto agora” significa. Sempre que tentamos fugir do “ponto agora”, perdemos a consciência do que isso significa. Então criamos uma falsa realidade que sobrepomos à nossa vida.

Fazemos isso de várias maneiras. Primeiro, vivemos no passado ou no futuro, não no presente. Claro, podemos estar presentes até certo ponto, mas não estamos realmente cientes do “ponto agora”. A cada minuto, nossa mente já está avançando — talvez no próximo minuto, na próxima hora, no próximo dia. Podemos até estar em algum futuro distante, em um sonho de como poderia ser um dia, ou deveria ser, ou poderia ser se tivéssemos apenas alguma magia.

Como resultado, ignoramos o “ponto agora” que poderia nos dar a chave para realmente alcançar aquele ponto futuro que tanto prezamos. Ou isso, ou nos apegamos a algo do passado que nos prende, possivelmente sem que percebamos.

Quando começamos a trabalhar profundamente com os ensinamentos do Guia do Pathwork, começamos a entrar em contato com ambos. Mais notavelmente, depois de muito trabalho duro, começamos a ver como nosso passado ainda está nos influenciando. Essa influência nos faz reagir a algo que está acontecendo agora como se ainda estivéssemos vivendo no passado.

Por sermos pegos com uma visão distorcida, na verdade acreditamos que o que está acontecendo agora é o mesmo que aconteceu no passado. Não que estejamos cientes dessa crença. Se tivéssemos consciência disso, estaríamos muito mais perto desse “ponto agora”. O fato de pensarmos que a maneira como estamos reagindo agora é apropriada é uma boa régua para medir o quanto estamos alienados do “ponto agora”.

Como parar a “projeção do tempo”

Em suma, perdemos o contato com o “ponto agora” ao nos perdermos tanto no passado quanto no futuro. E estamos fazendo esse tipo de “projeção do tempo” o tempo todo. Muitas vezes acreditamos que estamos agindo livremente, com base no que está acontecendo no momento. Mas nossos comportamentos não são realmente escolhidos livremente.

São reações determinadas por eventos do passado. E nossas reações podem ou não ter sido apropriadas naquela época. Independentemente disso, eles não são apropriados agora. E eles nos levam a distorcer a realidade, o que significa que apagamos nossa conexão com a realidade real que está acontecendo agora.

Para falar com franqueza, é a nossa falta de consciência sobre o que realmente está acontecendo no momento que cria a ilusão que chamamos de tempo. Dito de outra forma, nossa falta de consciência e a falsa realidade que a acompanha causa fragmentação. E essa fragmentação é a razão pela qual estamos desconectados de viver no momento presente.

O caminho a seguir, no entanto, não é algo que podemos determinar usando nossa mente por meio de um ato de vontade. O uso de nossa vontade entra em jogo usando nossa mente para desenvolver mais autoconsciência em relação às partes de nós mesmos que não queremos enfrentar e lidar. Pois essa é a única maneira de nos alinharmos com a verdade. Só podemos tornar a vida melhor estabelecendo um melhor senso de realidade.

Assim que fizermos isso, uma nova sensação de atemporalidade surgirá por conta própria. Acontecerá quase sem esforço, quando menos esperamos. Porque vem como um subproduto de nossa busca para estar na verdade.

Com o tempo, depois de passarmos por nossa auto-exploração, o passado vai parar de sangrar no presente. Quando isso acontecer, poderemos confiar que o futuro será bom, pois só pode ser uma extensão do agora. Quando não sentirmos mais a necessidade de escapar do presente, pararemos de brincar com o futuro com nossa mente de fazer desejos. Então o agora se transforma em nossa nova realidade, para sempre.

Três maneiras comuns de escaparmos do “ponto agora”

Existem três maneiras bastante conhecidas de perdermos o “ponto agora”. Eles são:

1) Deslocamento
2) Projeção
3) Negação

Deslocamento

Primeiro vamos olhar para o deslocamento. Digamos que amamos muito alguém, mas eles fazem algo para nos ferir ou nos deixar loucos. Não queremos ofender essa pessoa e sabemos que, se deixarmos que vejam como nos sentimos, ela pode nos afastar. E nós precisamos deles e dependemos deles! Por isso, queremos evitar tal dor.

Ainda assim, eles fizeram algo que nos causa dor e raiva. Tememos que, se reconhecermos nossa dor, possamos destruir nossa pequena bolha de ilusão, da qual não queremos abrir mão. Nossa ilusão pode ser que nossa pessoa amada realmente deveria ser perfeita. Eles nunca devem fazer nada que nos machuque. A razão pela qual temos essa ilusão é para que possamos evitar que algo desagradável aconteça. Neste caso, o confronto seria muito desagradável. E com certeza não queremos arriscar perder o amor deles.

Nosso objetivo é evitar todos os desconfortos, riscos e dores. Para fazer isso, devemos construir uma ilusão. E então devemos investir bastante energia para manter essa versão fictícia da realidade. No entanto, a energia da dor e da raiva que estamos sentindo é real, então precisamos nos livrar dela.

Pois também é uma ilusão pensar que apenas ignorando nossa dor e raiva, ela irá embora. Como “resolver” tal problema? Muitas vezes, nossa solução é tão automática que nem percebemos que estamos fazendo isso. Despejamos nossos sentimentos em outra pessoa, possivelmente por uma questão totalmente diferente.

Afinal, essa outra pessoa pode não significar tanto para nós. Se deixarmos essa outra pessoa brava, sua retaliação ou rejeição pode não importar tanto. O resultado é menos “perigoso”. Ou talvez estejamos tão seguros do amor e da tolerância dessa outra pessoa por nós que podemos descarregar com segurança sobre ela e sair impunes. Dessa forma, resolvemos nosso problema encontrando uma saída para essa bola apertada de energia, e não colocamos em risco nosso relacionamento com a pessoa tão importante. Isso é deslocamento.

Esse artifício astuto não apenas nos faz sentir culpados por nossa desonestidade, como também cria uma versão falsa da realidade. Então agora estamos vivendo em um mundo que realmente não é baseado na realidade. E não há como estarmos cientes do “ponto agora” com isso acontecendo. Qualquer que seja o significado ou a mensagem que possa vir a nós sobre nós mesmos nesta situação, não seremos capazes de ouvi-lo até que resolvamos tudo corretamente.

Aqui está outra coisa que é útil perceber. Depois que começarmos a fazer nosso trabalho de desenvolvimento pessoal, descobriremos que, ao encarar totalmente até mesmo as mais indesejáveis ​​e desonestas falsidades em nós mesmos, chegamos a um sentimento de bem-aventurança. Alcançamos isso antes mesmo de termos a chance de mudar essa parte de nós mesmos. A felicidade surge de simplesmente lidar honestamente com um problema.

Por que isso acontece? Porque estamos agora no “ponto agora” específico de nossa falsidade. Estamos no “ponto agora” de nossa negatividade e nossa falsidade. O deslocamento, por outro lado, transforma tudo em caos e desordem. Ele pega o que realmente está acontecendo e o transforma em total confusão. Isso nos desconecta completamente de nosso eu divino interior, e isso sempre cria medo e fragmentação.

Fazemos essa coisa de deslocamento muito mais do que pensamos. Tiramos algo de uma pessoa e colocamos em outra. Ou pegamos as coisas de uma situação e as movemos para outra. Às vezes, somos preguiçosos demais para lidar com a situação real. Ou talvez tenhamos o hábito de ser resistentes. Mas se não pararmos de fazer isso, nunca poderemos mudar para o “ponto agora” contínuo.

Para começar, devemos decidir que queremos ver o que estamos fazendo. E queremos ver até que ponto estamos fazendo isso. Pois nossa falta de consciência torna cada problema maior. No minuto em que percebemos que temos um problema com o deslocamento automático, nossos problemas já diminuem um pouco.

Projeção

Provavelmente estamos um pouco mais familiarizados com projeção, que é ver nos outros o que não estamos dispostos a ver em nós mesmos. No entanto, muitas vezes ainda estamos cegos para como reagimos aos outros quando há algo em nós mesmos que não desejamos ver. Às vezes, a outra pessoa pode realmente ter o traço indesejável que não queremos ver. Outras vezes, eles não podem. Mas se eles fazem ou não realmente não importa.

O que importa é que quando estamos projetando, estamos abusando da energia que deveria ir para nos enfrentarmos. Precisamos voltar nossa atenção para confrontar e lidar com algo desagradável em nós. Em vez disso, ficamos com raiva e irritados com a outra pessoa. Nesse caso, queremos manter uma ilusão sobre nós mesmos — a saber, que não temos o traço em questão.

Negação

A última é a negação, que não precisa de muita explicação. Não deslocamos e não projetamos. Nós simplesmente tentamos negar a existência de um problema.

Em todos esses casos – seja fugindo do passado, fingindo sobre o futuro ou deslocando, projetando ou negando – estamos tentando fugir do “ponto agora”. Estamos comprando a ilusão de que podemos evitar qualquer coisa que achamos desagradável.

Quando fazemos isso, a nova realidade que estamos criando – usando a força de nossa vontade – não é baseada na verdade. E isso, amigos, é um abuso do processo criativo. Tudo o que realmente realizamos é criar mais fragmentação, e nos tornamos cada vez mais alienados do centro de nosso próprio ser. Perdemos nossa conexão com nosso “ponto agora”, com todo o seu incrível significado e relação com o todo. Ao Maior.

Aproximando-se de mais alegria

O Pathwork Guide aponta que essas duas palestras sobre Pontos Nucleares Psíquicos e o processo de estar no agora foram especialmente alegres de serem dadas. Na verdade, ele disse, o Mundo Espiritual os estava preparando há “muito tempo” – com o tempo, é claro, sendo uma maneira muito humana de entender seu esforço considerável.

Por um lado, aqueles que ouviriam essas palestras precisavam estar prontos para recebê-las. Além disso, deu algum trabalho para massagear a terminologia para que os humanos pudessem até entendê-los. Isso não foi fácil de fazer. Porque a linguagem humana não dá muito espaço para falar sobre essas ideias.

No entanto, se pudermos entender esse material, por mais simplificado que seja, ele pode nos ajudar a elevar nosso nível de consciência. Pode nos ajudar a entender intuitivamente como funciona o processo criativo e que pode tornar mais fácil lidar com nós mesmos.

Acelerar nosso progresso espiritual é tremendamente alegre para todos. Essa não é apenas a maneira de criar mais alegria, mas também leva a mais paz, mais emoção e mais realização em nossas vidas. Até que um dia percebemos que é totalmente seguro viver em um estado de ser altamente carregado, desde que a carga seja positiva.

Todos nós podemos começar hoje trabalhando ativamente com o processo criativo para tornar a vida melhor. Para todos nós.

Jill Loree

Bênção do Guia Pathwork

“Seja abençoado no mundo de amor que o cerca e permeia. Esta é a única realidade inalterável que existe. Seja abençoado."

– Aula nº 215 do Guia Pathwork: Continuação dos Pontos Nucleares Psíquicos – Processo no Agora

Adaptado da Aula nº 215 do Guia Pathwork: Pontos Nucleares Psíquicos Continuação - Processo no Agora

Ensaio 31: Parte um | Parte dois | Parte TRÊS

Maneiras de aprender mais
Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Insights sobre os ensinamentos espirituais do Pathwork Guide
Dois Coleções Power-PackedDepois do Ego & Cego pelo Medo

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe