Ensaio 17 Por que Deus fez a guerra?

De acordo com o Pathwork Guide, se apenas uma pequena porcentagem das pessoas na Terra – como 10% da população mundial, e talvez nem tanto – começasse a fazer seu trabalho espiritual interior, as guerras não existiriam mais. Pois quanto mais terminarmos as guerras que estão sendo travadas dentro de quase todas as almas humanas, mais nos inclinaremos na direção do bem. Porque o derramamento de luz – a criação de formas energéticas positivas – seria tão dramático.

Tenha em mente que por estar em um corpo humano, já estamos em uma encruzilhada, por assim dizer. Qual é exatamente o ponto deste mundo da matéria. Ele veio à existência por meio de influências – anseios, na verdade – tanto das esferas claras quanto das escuras. E isso nos posiciona, mais ou menos, no meio das coisas. Ou seja, podemos escolher: o que vamos deixar nos influenciar mais, as esferas superiores ou as esferas inferiores?

O poder pode ser usado para o bem ou para o mal. É nossa escolha.

Ao escolher onde e como queremos nos alinhar - exercitando nosso livre arbítrio - temos a chance de nos desenvolver muito mais rápido. Por exemplo, o Guia prossegue dizendo que uma pessoa que está conscientemente fazendo seu trabalho pessoal de desenvolvimento espiritual pode realizar em uma vida o que de outra forma levaria vinte.

Por que o atrito é nosso melhor amigo

Provavelmente todos podemos concordar que vivemos em um mundo cheio de pessoas em níveis muito diferentes de desenvolvimento. Isso causa atrito, porque todos esses diferentes níveis de desenvolvimento criam mal-entendidos. O atrito, então, nos entrega nosso trabalho, que é classificar nossas dificuldades e resolvê-las. Em vez disso, devido à nossa cegueira, muitas vezes ficamos presos em conflito.

O atrito é a chave para um desenvolvimento mais rápido.

No entanto, esse atrito é exatamente a chave para um desenvolvimento mais rápido. Porque conflitos são o que trazem nossas próprias fraquezas à tona. Sem o nosso conhecimento, escondidos em nossa psique - na parte inconsciente de nossa mente - existem tendências conflitantes. Uma parte quer ir para este lado e a outra, para lá. Pior ainda, ainda nem sabemos que isso está acontecendo!

Tudo isso torna o ser humano bastante difícil. Então, por que tudo isso não poderia ter sido evitado? Por que não podemos simplesmente viver com pessoas que vêm das mesmas esferas espirituais que nós? Bem, era uma vez, nós fizemos. Para entender por que deixamos um lugar de paz e harmonia apenas para chegar a essa dimensão difícil, precisamos entender a história maior da criação.

O que é preciso para criar

Por trás de toda a vida há uma grande força viva que muitos chamam de Deus. (Por favor, preencha qualquer palavra para Deus que você gosta). Essa força contém tanto um princípio ativo quanto um princípio receptivo. Quando vemos a vida, ou Deus, usando seu rosto ativo, vemos Deus criando. As pessoas que vivem no Ocidente estão mais familiarizadas com a visão desse lado ativo e masculino de Deus. Exemplos das criações de Deus incluem um número infinito de leis espirituais, bem como um número infinito de seres espirituais.

Quando vemos a face receptiva de Deus, testemunhamos a lenta evolução da vida. Em sua forma feminina, Deus permite um processo orgânico de construção. Este é o fluxo da vida, e é o lado de Deus que as pessoas veem com mais frequência no Oriente. Para que este universo – com todas as suas leis e outros seres – venha a existir, tanto as forças ativas quanto as receptivas devem estar envolvidas.

A substância divina dessa força viva é um fluido radiante e cada criatura contém um pouco dessa corrente divina. Isso é o que significa dizer que cada um de nós foi feito à imagem de Deus: cada um de nós contém alguma essência divina, mas em um grau menor do que Deus.

Seguindo o desejo de união

Quando finalmente atingirmos o mais alto grau de desenvolvimento possível, os aspectos masculino e feminino da divindade mais uma vez se reunirão e se combinarão em um. Pois nesse ponto, não haverá mais desunião ou divisão. A razão pela qual temos homens e mulheres como entidades separadas na Terra é resultado da divisão que aconteceu durante a Queda. Em suma, cada ser espiritual foi dividido em duas metades, uma principalmente masculina e a outra principalmente feminina.

Não importa como aprendamos, se aprendermos a amar, estaremos um passo mais perto de Deus.

Nosso desejo inato de encontrar o parceiro certo brota desse desejo de nos reunirmos com nossa outra parte, a metade da qual agora estamos separados. Às vezes, passaremos por encarnações quando poderemos nos unir ao nosso verdadeiro duplo, ou contraparte. E embutido na felicidade que tal reencontro acarreta, aí reside o dever de cumprirmos algo.

Também teremos que passar por outras encarnações sem nossa contraparte. E nisso reside um tipo diferente de cumprimento. Mas isso não significa que precisamos levar uma vida de celibato. Haverá outras pessoas com quem podemos criar uma vida significativa, ser felizes e cumprir outros deveres, possivelmente até pagando algum carma. Não importa como aprendamos, se aprendermos a amar, estaremos um passo mais perto de Deus. E esse é um caminho que sempre leva à nossa própria liberdade e realização.

No entanto, a questão permanece: por que Deus criou todos esses seres? Afinal, Deus deve ter percebido que isso poderia resultar em miséria.

Por que Deus criou os seres espirituais?

A criação de seres espirituais decorre da realidade de que Deus é gosta,. Simplificando, o amor deve compartilhar, pois essa é a natureza do amor. Além disso, cada ser foi criado com livre arbítrio. E sim, com esse livre arbítrio, temos a capacidade de trazer a miséria à existência. A esperança era que tivéssemos sabedoria para não abusar de nosso poder e, portanto, sempre continuar vivendo dentro dos limites da lei divina.

Se fizéssemos isso, conheceríamos a bem-aventurança eterna. Se não, bem, é por isso que estamos todos aqui.

O amor deve ser compartilhado, pois essa é a natureza do amor.

Os seres que fizeram parte da Queda - somos nós - aproveitaram a oportunidade para compreender ainda melhor a incrível perfeição das leis divinas. Pois é isso que vamos perceber quando todos passarmos por este vale da morte. No final, seremos ainda mais divinos do que antes. Mas não vamos nos precipitar.

Por enquanto, devemos suportar uma miséria temporária que causamos a nós mesmos por meio de nossas próprias decisões erradas. Mas animem-se, pois essa miséria auto-infligida não é nada se comparada à felicidade eterna que nos espera, assim que voltarmos para casa.

O que tira nossa harmonia?

Muito antes de nosso mundo material existir, havia muitos, muitos mundos: mundos de total felicidade e harmonia, de infinita beleza e possibilidades. Nesses mundos, nossos aspectos divinos criativos podem continuar a se desdobrar. Nesses mundos, nossa substância divina não estava coberta por uma camada estranha de matéria não divina.

Essas camadas escuras e estranhas são o que nos roubam nossa unidade.

Essas camadas escuras e estranhas são o que nos roubam nossa unidade - com nós mesmos, com os outros e com Deus - e é nossa tarefa aqui neste mundo nos livrarmos delas. Podemos chamar essas camadas escuras de nosso Eu Inferior, com a substância divina ou centelha divina em nosso centro sendo nosso Eu Superior.

Para ser claro, essa luz que repousa no âmago de cada ser humano é divina, mas isso não nos torna Deus. Dito isto, somente esta substância divina, uma vez purificada e livre das trevas, é capaz de se unir a Deus. Se nosso desejo é nos tornarmos parte da Unicidade – para mais uma vez estarmos em unidade com Deus – devemos nos tornar como Deus. Pois nenhuma substância que não seja como Deus pode se unir a Deus.

Exercendo nosso poder de escolha

Para receber os mesmos aspectos de Deus significa que tínhamos que receber livre vontade. E ter livre escolha significa que temos a possibilidade de ir contra a lei divina. Quando evitamos isso, escolhendo livre e corretamente não abusar de nosso poder, ganhamos a bolada: amor, sabedoria, coragem, serenidade e outras qualidades excelentes como essas.

A miséria nos incentiva a voltar ao alinhamento com a lei divina.

Se escolhermos outro caminho, ficaremos presos em uma teia de leis espirituais. Essas leis, que Deus teve o bom senso de criar antes de fazer cada um de nós, prevêem a possibilidade de retornar a Deus se e quando usarmos mal nossos poderes de escolha dados por Deus. Eles trabalham em ciclos, que sempre têm que fechar. Em última análise, tudo o que se afasta de Deus e da lei divina retornará.

Pois quanto mais longe estamos de Deus, mais miséria experimentamos. Mas é essa miséria em si que nos dá o incentivo de que precisamos para voltar ao alinhamento com a lei divina. Se olharmos, podemos ver essa lei em ação em nossas vidas, em tudo, desde as grandes situações até os menores incidentes.

Aqui, pode surgir a ideia de que Deus realmente não deveria ter dado a todos o livre-arbítrio. Porque então a Queda não poderia ter acontecido. Ou, no mínimo, Deus deveria ter intervindo quando as coisas começaram a piorar. Mas tal visão é ridiculamente míope. Pois a felicidade só existe quando estamos em união. E para estar em união – eventualmente com todos, incluindo Deus – todos nós devemos ser cortados do mesmo tecido. Em outras palavras, nosso livre arbítrio deve permanecer sempre intacto.

A origem de nossas camadas escuras

Como, então, essas camadas estranhas surgiram, cobrindo nossa luz interior original?

Bem, por muito, muito tempo todos nós vivemos em um estado de bem-aventurança, embora tais mundos sejam esquecidos e inimagináveis ​​para nós agora. E fomos convidados a escolher livremente ficar lá e viver dentro da lei divina, ou ir contra ela. Eventualmente, um espírito em particular caiu na tentação de agir contra a lei divina.

Observe que não apenas agir contra a lei divina é o mesmo que agir contra Deus, mas também agir contra nossos próprios interesses. E até hoje, é exatamente isso que nosso Eu Inferior faz: age contra nossos próprios interesses.

Como essa queda em tentação aconteceu? Imagine, se quiser, que você possui um poder incrível. E você sabe que, se usar esse poder da maneira errada, pode não ser bom para você. Contanto que você não exerça esse poder da maneira errada, tudo está bem. E ainda assim você fica notavelmente curioso sobre o que aconteceria se você o usasse da maneira errada. Com o tempo, torna-se cada vez mais tentador experimentar isso. Quanto mais forte a tentação se torna, menos você pode encontrar razões para não experimentá-la.

Nosso Eu Inferior age contra nossos próprios interesses.

Você nem mesmo planeja continuar usando este poder perigoso. Mas você sente que deve experimentar, pelo menos um pouco. Só para descobrir o que aconteceria. Claro, você vê seus amigos experimentando e depois se deixando levar por isso. Sim, você entende que essa não é uma boa ideia. Mas seu melhor julgamento se dissolve sob o peso crescente de como você é tentado. E então, depois de experimentá-lo, não é possível resistir a ser arrastado por ele mesmo.

Cair é assim mesmo.

Aqui está um exemplo que pode atingir mais perto de casa. Digamos que sejamos tentados a tentar algo que vicia. Não planejamos sucumbir inteiramente a isso, pois sabemos, como todo mundo, que pode arruinar nossas vidas em todos os aspectos. Mesmo assim, achamos que podemos tentar, apenas uma vez, e ver como é. Mas lentamente, depois de algum tempo, descobrimos que não podemos mais escapar. Fomos apanhados e agora é muito difícil voltar atrás.  

O longo e lento deslizamento na escuridão

Uma vez que o primeiro espírito cedeu à tentação, algo novo foi colocado em movimento e não pôde mais ser mudado. O espírito entendeu que assim seria. Mas depois de cair, ele não queria mais se lembrar que já sabia disso. E, na verdade, não é diferente para nenhum de nós agora.

O resultado final? Uma mudança gradual.

Na verdade, aquela longa e lenta descida em direção ao lado escuro - afundar da harmonia na desarmonia - aconteceu tão gradualmente quanto deve ocorrer nossa longa e lenta jornada de cura pessoal. Estejamos avançando ou retrocedendo - evoluindo ou diminuindo - isso nunca pode acontecer de repente. Todos os princípios que eram verdadeiros há muito tempo durante a queda, quando tudo se opunha à lei divina, são exatamente os mesmos hoje.

Quando aquele espírito caiu primeiro, ele gerou um poder que ia na direção oposta da lei divina. Ainda era o mesmo poder, apenas usado de uma maneira diferente. Ao usar esse poder, esse espírito pode começar a influenciar outras pessoas. E aos poucos, foi exatamente o que ele fez.

Estejamos avançando ou retrocedendo, isso nunca pode acontecer de repente.

Para ser justo, nem todos os espíritos caíram em seu charme. E, portanto, uma divisão foi criada entre aqueles que caíram e aqueles que permaneceram fiéis a Deus. Para aqueles que caíram, o “queda dos anjos”Estava agora em andamento. E, neste processo, cada aspecto divino tornou-se distorcido em sua natureza oposta.

Assim, a harmonia se transformou em desarmonia e a beleza se transformou em feiúra. A sabedoria se transformou em cegueira e o amor se tornou medo, ódio e egoísmo. União tornou-se separação. Quanto mais a atração da tentação continuava, mais a totalidade se dividia, até que o mal viesse totalmente à existência.

Vivendo em esferas afins

Aqui na Terra, que é um mundo material, pensamos que os pensamentos e sentimentos não têm forma. Eles são abstratos. Mas em outros mundos - o que podemos chamar de mundos espirituais - tudo em nossa psique tem forma. Lá, os espíritos criam automaticamente as esferas em que vivem como um subproduto de seu estado de espírito. Então, apenas espíritos com o mesmo nível de desenvolvimento podem compartilhar um mundo. Isso pode tornar a convivência mais fácil em alguns aspectos, mas retarda o desenvolvimento do indivíduo.

Os mundos intermediários oferecem vários graus de harmonia e desarmonia.

Imagine viver em um mundo onde seus pensamentos e sentimentos, opiniões e objetivos, todos se unem para criar o seu mundo. Se você for altamente desenvolvido, estará rodeado de beleza e luz. Os espíritos caídos, entretanto, viverão em um mundo escuro e feio.

Em um esforço para ajudar os espíritos caídos a passarem das esferas escuras para as claras, um ótimo plano foi colocado em operação. Por meio desse plano, muitos mundos intermediários passaram a existir, os quais oferecem vários graus de harmonia e desarmonia. Os espíritos caídos se encontrariam vivendo nessas esferas, de acordo com seu estado de desenvolvimento, enquanto trabalhavam para voltar à luz.

Nosso mundo material é um desses mundos intermediários.

Existem outros mundos que são mais desarmônicos do que a Terra. Muitos os conhecem como Inferno. Eles refletem o estado de espírito dos seres caídos que vivem lá. Na verdade, eles vieram a existir como resultado direto desses seres. Mas o Inferno não é apenas uma única esfera. Assim como existem muitas esferas no mundo divino, ou o chamado Céu, o Inferno também possui mais de um endereço.  

Afinal, quando aconteceu a Queda, nem todos os que dela participaram caíram ao mesmo nível. O grau de desarmonia e maldade que causamos variava de indivíduo para indivíduo. Como tal, diferentes esferas surgiram no mundo das trevas. E sempre, eles corresponderam ao estado de espírito do ser caído.

Então ninguém nunca foi enviei para o inferno. Em vez disso, chegamos lá porque combinava com nosso próprio estado de espírito.

Por que vivemos em um estado de desarmonia

Lembre-se de que cada aspecto divino se transformou em seu oposto durante a queda. E se agora nos encontramos vivendo em algum nível de desarmonia, então ainda não alcançamos a purificação completa de nossa alma suja. O que isso significa é que algumas características da Queda ainda devem estar acontecendo dentro de nós, pelo menos em algum grau.

Nenhuma falha poderia vir à existência por si mesma.

Podemos descobri-los pesquisando dentro de encontre nossas falhas. Ao fazermos isso, também queremos encontrar o aspecto divino original. Qual é a essência dada por Deus que deseja brilhar mais uma vez através de nós? Pois nenhuma falha poderia vir à existência por si mesma; todas as falhas são uma distorção de algo que foi, uma vez, um presente divino. Se olharmos, sempre podemos encontrar o aspecto divino em todas as nossas faltas.

Assim que formos capazes de reconhecer isso, será muito mais fácil purificar nossas falhas. Ao mesmo tempo, não perderemos a esperança de nos encontrarmos, o que, começar, significa encontrar nossos defeitos. Essa perspectiva pode nos ajudar a perder qualquer sentimento de inferioridade que sentimos sobre nós mesmos.

Mas para encontrar essas joias escondidas, devemos primeiro dar uma boa olhada em nossos defeitos. Devemos nos encarar como estamos agora.

Quem cria?

Não é certo dizer que Deus criou o céu e a terra. Mais corretamente, Deus criou as leis espirituais divinas que governam o universo. E Deus está envolvido na criação de todos os seres espirituais. Deus também criou várias forças e poderes que são distribuídos de tal forma que todo espírito vivo pode usar esses poderes exercendo seu livre arbítrio.

A Terra passou a existir gradualmente.

Lembre-se, cada um de nós foi criado à imagem de Deus. Portanto, não só temos livre arbítrio, como também temos a capacidade de criar. Uma expressão de nosso poder criativo são todos esses vários mundos ou esferas vindo à existência.

Esta esfera em que vivemos, nosso planeta chamado Terra, passou a existir gradualmente. E não importa se dizemos que Deus criou este mundo, ou que ele foi criado pelos anseios dos espíritos puros e caídos. Pois é realmente uma e a mesma coisa. O ponto principal é que Deus cria continuamente por meio de cada um de nós, e Deus também cria por meio de leis espirituais.

Nós, entretanto, não podemos criar nada sem usar o poder que Deus criou e nos deu. E esse poder pode ser usado para o bem ou para o mal. É nossa escolha.

Podemos adicionar luz ou criar mais conflito

Usando a força vital, ou poder criativo, que está à nossa disposição, podemos direcioná-la para qualquer canal que desejarmos. Isso significa que temos a capacidade de criar mundos harmoniosos de beleza, ou mundos feios cheios de conflito e dor. Na verdade, estamos criando mundos o tempo todo. Todos os dias, todas as horas, estamos construindo o mundo em que vivemos.

Enquanto não lutarmos contra nosso Eu Inferior, permaneceremos escravos de nossa própria escuridão interior.

Sim, de fato, este mundo material em que vivemos ainda está sendo criado.

A Terra é uma expressão do nosso estado de espírito, e neste aspecto somos todos iguais: somos todos parte bons e parte maus, parte luz e parte escuridão. Mas enquanto não lutarmos para transformar nosso Eu Inferior – com nossas falhas, nossas reações imaturas, nossa rebeldia teimosa e coisas do gênero – permaneceremos escravizados à nossa própria escuridão interior. E a expressão externa desse estado de conflito é, entre outras coisas, a guerra.

No entanto, uma vez que alcançamos o estágio em que aprendemos a nos controlar - quando nos tornamos cientes do que está acontecendo em nossa psique, ou estado de espírito, e paramos de atuar em nossos conflitos internos - então as guerras entre as pessoas vão parar. Pois são nossas próprias camadas escuras que se enrolam para criar guerras na Terra.

Para perceber isso, é se tornar iluminado. E isso envolve despertar para quem realmente somos.

- Jill Loree
A sabedoria do Guia nas palavras de Jill Loree

“É somente através do longo caminho do autoconhecimento e do auto-reconhecimento que as respostas gradualmente formarão um todo, as respostas que você mesmo deve encontrar.”

– Aula nº 24 do Guia Pathwork® Perguntas e Respostas

Um hino espiritual de um curandeiro e professor brasileiro conhecido como Baixinha:

Mensagem

Por que Deus fez a guerra
Se formos todos irmãos e irmãs?
Devemos orar
Que Deus perdoa a todos
Quem diz que está com Deus
Mas realmente estão se enganando

Adaptado da Aula nº 20 do Pathwork Guide: Deus: a criação, e Aula nº 23 do Pathwork: Perguntas e Respostas.

Veja o apendice : Cinco maneiras de aprender sobre a Queda e o Plano de Salvação

Maneiras de aprender mais
Voltar à visão geral dos ensaios espirituais
Leia o próximo ensaio espiritual

Compreenda esses ensinamentos espirituais • Encontre quais® ensinamentos do Pathwork estão nos livros de ® Phoenesse • Acesse links para palestras originais do Pathwork • Leia as palestras originais do Pathwork no site da Fundação Pathwork

Leia ensaios espirituais • Leia todas as perguntas e respostas do Pathwork® em  O Guia Fala • Acesse Palavras-chave, uma coleção gratuita das perguntas e respostas favoritas de Jill Loree

Compartilhe