Ressuscitando o Cristo na Prática do Caminho
Ressuscitando o Cristo na Prática do Caminho
12 Uma verdadeira trindade
Carregando
/
Como disse Cristo, ele é o caminho, ele é a verdade e ele é vida. Esta é uma verdadeira trindade que nos leva a conhecer a nós mesmos e nosso amor.
Como disse Cristo, ele é o caminho, ele é a verdade e ele é vida. Esta é uma verdadeira trindade que nos leva a conhecer a nós mesmos e nosso amor.

Se pedirmos para conhecer a nós mesmos, nossa capacidade de amar e a beleza de nosso verdadeiro espírito, o teremos. Isso é salvação. E Cristo tornou isso possível. Como ele disse, ele é o caminho, ele é a verdade e ele é a vida. Esta é uma verdadeira trindade. Depois do que ele fez, não era mais inútil tentar. Deus entende o que nos motiva, então ele já nos perdoou por todas as coisas vergonhosas que fazemos. Ele sabe que temos que passar por nossos pecados para que possamos reconhecê-los e escolher um caminho diferente.

Parte integrante de todo este grande drama é a dualidade: a realidade dos opostos, onde tudo se divide em ou / ou. Como tal, é difícil para nós compreender o fato de que o aspecto pessoal da salvação - essa noção de que Jesus está aqui para nos ajudar - tem três aspectos paradoxais:

1) Somos responsáveis ​​por nossa própria salvação. Somos os únicos que podemos fazer isso.

2) Não podemos fazer isso sozinhos. Precisamos da ajuda de outras pessoas que compartilham essa jornada conosco e que muitas vezes podem ver em nós o que não vemos.

3) Sem Deus e a ajuda do aspecto pessoal de Deus, que é Jesus Cristo, esse empreendimento é vasto demais para que possamos realizar.

Então, sim, nossa salvação é nossa escolha. Passar por isso requer nossa intenção, nossa responsabilidade, nossa vontade e nosso esforço. Além do mais, muitas vezes parece que requer um sacrifício. Temos que desistir de nosso tempo e energia para trabalhar em nós mesmos. Acrescente a isso que parece um grande sacrifício abandonar o hábito do Eu Inferior e desistir de alguma gratificação decadente do Eu Inferior, pelo menos por um tempo, para que os prazeres superiores possam criar raízes. Ninguém, nem mesmo Deus, pode obrigar você a fazer isso se você não quiser. Porque isso iria contra todas as leis espirituais cujo autor é, afinal, Deus.

Ouça e aprenda mais.

HOLY MOLY: A história da dualidade, escuridão e um resgate ousado

Leia Ressuscitando o Cristo na Prática do Caminho, Capítulo 12: Uma Verdadeira Trindade